Mercado fechará em 3 h 53 min
  • BOVESPA

    113.780,32
    +2.596,37 (+2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.533,71
    +156,24 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,96
    +2,68 (+4,37%)
     
  • OURO

    1.718,40
    +2,60 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.674,17
    -1.313,91 (-2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    994,71
    +7,51 (+0,76%)
     
  • S&P500

    3.828,31
    +8,59 (+0,22%)
     
  • DOW JONES

    31.337,37
    +67,28 (+0,22%)
     
  • FTSE

    6.650,45
    -25,02 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.711,50
    +29,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7221
    -0,0566 (-0,83%)
     

Mineral comum em Marte foi encontrado em gelo nas profundezas da Antártida

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

A jarosita, um mineral de tons amarelados e marrons, foi encontrada nas profundezas do gelo da Antártida. O mais surpreendente sobre essa descoberta é que, por ser raro em nosso planeta e bastante comum em Marte, pode ser que o mineral tenha se formado em ambos os mundos a partir da poeira presa em antigos depósitos de gelo. Assim, a descoberta pode ajudar os cientistas a saber mais sobre a importância das geleiras e a formação dos materiais que compõem o Planeta Vermelho.

O mineral foi encontrado pela primeira vez em Marte em 2004, pelo já aposentado rover Opportunity. Na época, a descoberta ganhou grande destaque porque a jarosita precisa de água, enxofre, potássio e condições ácidas para se formar, um cenário bastante raro nos dias atuais de Marte. Como o mineral se mostrou bastante frequente no planeta, cientistas ficaram intrigados sobre sua formação; alguns pesquisadores propuseram que se formou a partir da evaporação de pequenas quantidades de água ácida, mas este é um cenário não tão provável.

Região de Noctis Labyrinthus, em Marte, com depósito de jarosita nas áreas mais claras (Imagem: Reprodução/NASA)
Região de Noctis Labyrinthus, em Marte, com depósito de jarosita nas áreas mais claras (Imagem: Reprodução/NASA)

Outros suspeitaram que a formação do mineral estaria relacionada a grandes depósitos de gelo que teriam coberto Marte há bilhões de anos. Nesse cenário, conforme esses lençóis de gelo se expandiam com o tempo, a poeira se acumulava no gelo e, assim, formaria o mineral: “Marte é bastante empoeirado, tudo lá está coberto por poeira”, comentou Giovanni Baccolo, geólogo e principal autor do estudo. Contudo, o maior mistério dessa possibilidade é que este processo nunca havia sido observado pelos cientistas.

Na Terra, a jarosita pode ser encontrada em resíduos de mineração que foram expostos à chuva e ao ar. Como não é tão presente em nosso planeta, Baccolo ficou surpreso ao encontrar partículas de poeira com o mineral enquanto procurava outros minerais em camadas de gelo a 1.620 m de profundidade na Antártida. Após examiná-las e confirmar que realmente era jarosita, a equipe concluiu que as partículas provavelmente se formaram em grandes bolsas no interior do gelo.

Assim, a descoberta indica que o mineral se formou da mesma forma em Marte — com a diferença de que, no Planeta Vermelho, a jarosita aparece em depósitos que se estendem a vários metros de profundidade, não em alguns grãos raros como ocorre na Terra. Essas grandes porções de jarosita podem ter se formado por lá porque o planeta tem muito mais poeira do que existe na Antártida, de modo que fornece mais material para formar o mineral.

Agora, Baccolo quer trabalhar com os materiais da Antártida para investigar se os antigos depósitos de gelo em Marte foram o passo inicial para formar outros minerais: “esse é apenas o primeiro passo para relacionar o gelo das profundezas da Antártida ao ambiente marciano”, comentou.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Communications.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: