Mercado abrirá em 1 h 9 min
  • BOVESPA

    115.062,54
    -1.118,01 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,38
    -0,23 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.776,00
    -18,80 (-1,05%)
     
  • BTC-USD

    47.930,12
    +439,70 (+0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.234,60
    +37,39 (+3,12%)
     
  • S&P500

    4.480,70
    +37,65 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.814,39
    +236,82 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.044,94
    +28,45 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.466,50
    -37,50 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1446
    -0,0514 (-0,83%)
     

Mineradores de criptomoedas são uma em quatro ameaças a servidores Linux

·2 minuto de leitura

Os mineradores de criptomoedas representaram 25% das ameaças contra servidores Linux no primeiro semestre de 2021. A constatação está em um relatório da empresa especializada em segurança Trend Micro, que coloca os ransomwares apenas na terceira colocação entre os maiores perigos do tipo; eles representam apenas 12% dos incidentes, ficando atrás das explorações envolvendo web shells, com 20% dos ataques usando acesso remoto.

O levantamento também aponta para uma disseminação cada vez maior de ameaças voltadas a servidores Linux, na medida em que mais e mais empresas adotam tais infraestruturas. Entre janeiro e julho de 2021, os sistemas da Trend Micro detectaram quase 13 milhões de incidentes contra esse tipo de infraestrutura.

O pior de tudo é que muitas dessas intrusões foram possíveis devido ao parque desatualizado, com a não aplicação de patches de correção e versões mais recentes de sistemas ainda sendo o principal vetor de exploração. 44% dos casos registrados pela Trend Micro, inclusive, representaram tentativas de golpes contra uma única distribuição, a CentOS de 7.4 a 7.9 — atualmente, o sistema se encontra na versão 8, enquanto a anterior ainda recebe suporte e deve alcançar status de fim de vida em 2024.

Vulnerabilidades básicas também aparecem liderando o ranking. Uma análise do total de dispositivos com a porta 22 aberta, usada por bandidos para exploração de golpes contra web shells, revelou nada menos do que 18,6 milhões de dispositivos vulneráveis. A maioria deles está nos EUA (6,7 milhões), com Alemanha (1,6 milhão) e China (1,3 milhão) completando o ranking.

Com estruturas desse tipo aparecendo em maior número — hoje, 61% dos servidores rodam Linux, contra 39% de Windows —, a tendência é que o ritmo de ataques aumente cada vez mais. A Trend Micro aponta o potencial da tecnologia para as corporações e, ao mesmo tempo, a atenção cada vez maior que deve ser dada pelos criminosos a tais explorações, motivando ainda mais a recomendação dos especialistas quanto à aplicação de atualizações e configurações corretas da infraestrutura, para que vetores conhecidos não possam ser explorados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos