Mercado abrirá em 2 h 53 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,85
    +0,59 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.813,20
    -9,00 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    38.664,99
    -923,23 (-2,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    937,13
    -23,77 (-2,47%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.115,75
    +34,03 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.971,00
    +18,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1488
    +0,0047 (+0,08%)
     

Mineradora de bitcoins é acusada de causar aquecimento de lago em Nova York

·2 minuto de leitura

Uma operação de mineração de bitcoins localizada no estado de Nova York foi acusada pelos moradores locais de transformar o Seneca Lake em uma verdadeira banheira quente. A fábrica, equipada com pelo menos 8 mil máquinas dedicadas à atividade, retira água do local para resfriamento e a joga de volta com temperaturas aquecidas.

Segundo a NBC News, a operação acontece em uma usina elétrica movida a gás que foi convertida pela Greenidge Generation LLC em uma mineradora de criptomoedas. A estrutura tem a permissão para captar 526 milhões de litros de água diários do lago e pode devolver a ele 511 milhões de litros.

A estimativa é que a água enviada de volta ao local chega a 42 graus Celsius no verão, ou 30 graus durante o inverno, o que tem trazido consequências notáveis pela população local. “O lago está tão quente que você sente como se estivesse em uma banheira quente”, afirmou Abi Buddington, uma moradora próxima ao local.

O local foi adquirido pela Atlas Holding em 2014 e convertido para uma fábrica de gás natural em 2017, mas somente em 2019 a eletricidade produzida passou a ser direcionada para a mineração de criptomoedas. Segundo a NBC, a administradora Greenidge planeja instalar ainda mais máquinas no local, o que aumentará seu uso de energia para 45 megawatts até dezembro e pode chegar a 500 megawatts até 2025.

Empresa garante operar dentro da lei

O CEO da empresa, Jeff Kirt, garantiu que “o impacto ambiental da planta nunca foi tão bom quanto agora” e que a companhia opera dentro dos limites impostos por suas licenças ambientais. Ele também afirma que, por meio da compra de créditos, pretende tornar o local neutro em carbono em pouco tempo.

A vice-procuradora do programa de carvão da Earth Justice, Mandy DeRoche, explicou que a Greenidge precisa renovar em setembro sua licença de emissões de carbono. Ela afirma que pediu rigidez ao Departamento de Conservação Ambiental dos Estados Unidos ao analisar o caso, para que ele como uma nova solicitação de permissão, e não apenas como uma renovação.

Segundo um estudo conduzido pela Universidade de Cambridge, somente a mineração de bitcoin mundial consome mais energia do que todo o Chile. O maior impacto ambiental é causado pela queima de combustíveis fósseis, que têm contribuído para maiores emissões de carbono na atmosfera — situação que já preocupa governos ao redor do mundo, que veem nas criptomoedas um obstáculo para atingir seus objetivos ambientais futuros.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos