Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.914,60
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    11.927,63
    +870,62 (+7,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.702,75
    +42,00 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    0,0000 (0,00%)
     

Mineração espacial: China quer lançar robô minerador de asteroides em novembro

Danielle Cassita
·3 minutos de leitura

A China deu mais um passo em direção à exploração dos recursos do espaço: segundo informações da empresa chinesa Origin Space, o robô minerador de asteroides NEO-1 deverá ser lançado em meados de novembro. Apesar do nome, podemos considerar que, na verdade, esta missão é muito mais uma introdução à mineração espacial real, onde irá testar tecnologias destinadas à mineração de asteroides.

Assim, o NEO-1 será lançado em um foguete Long March como uma carga útil secundária. Esta pequena nave de 30 kg irá orbitar nosso planeta a uma altitude de 500 km. Durante uma entrevista, Yu Tianhong, co-fundador da empresa, disse que a "a meta da missão é verificar e demonstrar múltiplas funções como a manobra orbital da nave, simulação de captura de corpo celestial, identificação inteligente da nave e controle". Entretanto, este primeiro momento pede cautela para vermos se, de fato, a China ficará mais próxima de minerar um asteroide, já que este processo está longe de ser simples devido às diversas dificuldades envolvendo o procedimento.

Esta imagem representa um estudo de 1971 sobre mineração espacial patrocinado pela NASA (Imagem: Reprodução/NASA/Denise Watt/Universe Today)
Esta imagem representa um estudo de 1971 sobre mineração espacial patrocinado pela NASA (Imagem: Reprodução/NASA/Denise Watt/Universe Today)

Além disso, a nave poderá avançar neste processo com os testes das tecnologias, então é possível considerá-la mais uma “prospectora” nesta etapa do que uma mineradora propriamente dita. De fato, os asteroides podem guardar recursos equivalentes a trilhões de dólares ou até mais, mas existe uma dificuldade imensa em extrair recursos deles — basta pensar no processo de extração do aço na Terra, que existe separar o elemento da rocha, remover impurezas e realizar mais diversos procedimentos com equipamentos especializados e caros.

O NEO-1 não é o único projeto da Origin Space: no início do ano, a empresa assinou um contrato do telescópio espacial óptico Yuanwang-1, que seria quase um “Hubble em miniatura”. O plano para este telescópio é observar e monitorar asteroides para identificar candidatos com potencial para usos posteriores. Além dele, existe o NEO-2, que será lançado com destino à Lua entre 2021 e 2022. Ainda não foram divulgados detalhes sobre esta missão, mas é possível que ela tenha alguma relação com a proposta da NASA para a compra de rochas lunares de empresas privadas.

Até o momento, a mineração de asteroides aconteceu apenas em obras de ficção e nem todos da comunidade científica são a favor dela — o que não se aplica para a Origin Space, que não parece estar sozinha na empreitada: recentemente, o presidente dos EUA assinou uma ordem para estimular a extração de recursos da Lua e asteroides para que cidadãos possam possuir e vender recursos espaciais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: