Mercado abrirá em 8 h 12 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,56
    +2,07 (+2,60%)
     
  • OURO

    1.670,90
    -1,10 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    19.124,78
    -190,00 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,92
    -8,51 (-1,92%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.061,45
    +124,24 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    10.968,75
    -66,75 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Minério de ferro tem terceira queda mensal em Dalian com problemas econômicos na China

Trabalhador em siderúrgica em Changzhi

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - O minério de ferro caiu na bolsa de Dalian nesta quarta-feira, marcando sua terceira queda mensal consecutiva, depois que uma pesquisa mostrando uma contração na atividade fabril na China levantou dúvidas sobre uma recuperação econômica no maior produtor e consumidor de aço do mundo.

O minério de ferro mais negociado, para entrega em janeiro, na Dalian Commodity Exchange da China ampliou suas perdas para uma terceira sessão, encerrando as negociações com queda de 1,7%, a 685 iuanes (99,35 dólares) a tonelada.

Na Bolsa de Cingapura, o contrato de outubro mais ativo do ingrediente siderúrgico reverteu as perdas iniciais, subindo 1% para 98,30 dólares a tonelada. No cômputo mensal, também houve perda.

A atividade fabril da China estendeu o declínio em agosto, com novas infecções por Covid-19, as piores ondas de calor em décadas e um setor imobiliário em apuros pesando sobre a produção, mostrou uma pesquisa.

"A fraqueza econômica da China está se tornando cada vez mais impulsionada pela demanda. O sentimento de consumo e investimento entre famílias e empresas é fraco, aumentando o risco de uma espiral deflacionária", disse Raymond Yeung, economista-chefe do ANZ para a Grande China.

Novos surtos de COVID na China estão aumentando o medo de mais lockdowns no maior consumidor de minério de ferro do mundo antes do 20º Congresso do Partido Comunista, que começa em 16 de outubro.

A perspectiva baixista para a demanda de aço na China no médio prazo também pesou fortemente sobre outros insumos siderúrgicos, com o carvão metalúrgico e o coque recuando 2,4%, também pela terceira sessão consecutiva.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)