Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.578,26
    -354,03 (-1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Minério de ferro sobe 4% após 'sell-off' por problemas de Covid na China

Caminhão circula por mina de minério de ferro da Fortescue na Austrália

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro se recuperaram nesta segunda-feira após o "sell-off" da semana passada, com traders apostando que a baixa dos preços foi atingida apesar das preocupações persistentes sobre as restrições intensificadas da Covid-19 na China, maior produtora mundial de aço.

O minério de ferro mais negociado para janeiro na Dalian Commodity Exchange da China encerrou as negociações com alta de 4%, a 692 iuanes (99,85 dólares) a tonelada.

Na Bolsa de Cingapura, o contrato de outubro mais ativo do ingrediente siderúrgico subiu 4,5% a 98,75 dólares a tonelada.

Na sexta-feira, o minério de ferro de Dalian atingiu uma baixa de cinco semanas, a 652 iuanes por tonelada, enquanto o minério de ferro SGX caiu para uma baixa de contrato de 92,75 dólares por tonelada em meio a crescentes preocupações com a demanda, já que novos surtos de Covid-19 levaram a China a aumentar as restrições.

"O minério de ferro carece de impulso ascendente no curto prazo, mas o espaço para queda também é limitado", disseram analistas da Zhongzhou Futures em nota.

Atualmente, 33 cidades estão sob lockdowns parciais ou totais, afetando mais de 65 milhões de habitantes, segundo uma estimativa da revista financeira chinesa Caixin.

A desaceleração do setor imobiliário na China e os lockdowns generalizados antes do Congresso do Partido Comunista, que ocorre a cada cinco anos, a partir de 16 de outubro, devem diminuir a demanda doméstica por minério de ferro e aço durante a temporada de pico de construção de setembro a outubro.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)