Mercado fechado

Minério de ferro e aço caem com problemas imobiliários na China

Desembarque de minério de ferro no porto de Lianyungang, China

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura caíram nesta sexta-feira depois que dados mostraram que o setor imobiliário da China se contraiu ainda mais em agosto, com um aumento sazonal da demanda geralmente visto a partir de setembro ainda não aparecendo no horizonte.

Em agosto, o investimento imobiliário na maior produtora de aço do mundo caiu no ritmo mais rápido desde dezembro de 2021, segundo cálculos da Reuters com base em dados oficiais. Os preços das casas novas caíram 1,3% em relação ao ano anterior, o ritmo mais rápido desde agosto de 2015.

O minério de ferro mais negociado para janeiro na Dalian Commodity Exchange da China encerrou as negociações com queda de 1,2%, a 715 iuanes (101,89 dólares) a tonelada.

Na Bolsa de Cingapura, o contrato de referência do ingrediente siderúrgico para outubro caiu 2,6%, para 98,05 dólares a tonelada, sendo negociado abaixo de 100 dólares pela primeira vez esta semana.

Os dados de sexta-feira minaram a confiança do mercado que havia sustentado o complexo ferroso da China nos últimos dias, com o apoio intensificado do governo ao setor imobiliário em dificuldades e esperanças de ações políticas adicionais para fortalecer a economia.

Os formuladores de políticas na China anunciaram mais de 50 medidas de apoio econômico desde o final de maio e na semana passada enfatizaram que este trimestre foi um momento crítico para a mudança de política.

"O antecipado 'setembro de ouro, outubro de prata' ainda não é visto", disseram analistas do JPMorgan em nota, referindo-se à recuperação sazonal na atividade de construção e na demanda imobiliária na China.

Analistas esperam que os impactos da Covid-19 nas atividades comerciais na China mantenham os investidores cautelosos.

Traders em grande parte ignoraram o crescimento mais rápido do que o esperado da China na produção industrial e nas vendas no varejo em agosto.

O vergalhão na Bolsa de Futuros de Xangai recuou 1,6%, a bobina laminada a quente caiu 1,3% e o aço inoxidável teve baixa de 1,9%.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)