Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.349,70
    -10,86 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Minério de ferro cai em meio à volatilidade estimulada por surto de Covid na China

Terminal de minério de ferro no porto de Dalian, China

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro caíram em uma sessão volátil nesta quarta-feira, quando as interrupções provocadas pela Covid-19 e as preocupações persistentes com o fraco mercado imobiliário na China superaram o otimismo em torno da reabertura do país e das medidas de estímulo econômico.

O minério de ferro mais negociado para maio na Dalian Commodity Exchange da China encerrou as negociações diurnas com queda de 0,4%, a 846,50 iuanes (122,94 dólares) a tonelada, devolvendo ganhos iniciais.

Na Bolsa de Cingapura, o contrato de fevereiro de referência do ingrediente siderúrgico caiu 1,2%, para 114,70 dólares a tonelada.

Os preços das casas na China, maior produtora mundial de aço do mundo, caíram em um ritmo mais rápido em dezembro, de acordo com uma pesquisa privada, refletindo a demanda persistentemente fraca em meio ao aumento dos casos de Covid, apesar de uma série de medidas de apoio ao setor imobiliário em dificuldades.

"Mantemos nossa visão de que o consumo subjacente de aço do setor imobiliário da China não deve se recuperar significativamente nos próximos 3 a 6 meses", disseram analistas do Citi em nota de 3 de janeiro.

"O setor imobiliário continua enfrentando desafios. A segurança do emprego e a confiança do consumidor continuam desafiadoras e a atual onda de infecções por Covid segue sendo um vento contrário", disseram eles.

As referências do aço fecharam com comportamentos mistos, com vergalhão na Bolsa de Futuros de Xangai caindo 0,4%, enquanto a bobina a quente ganhou 0,1%.

(Reportagem de Enrico Dela Cruz em Manila)