Mercado fechará em 1 h 49 min
  • BOVESPA

    112.900,41
    +1.974,80 (+1,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.414,11
    -43,44 (-0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,43
    +0,21 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.808,50
    -6,70 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    16.946,55
    -24,00 (-0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,04
    +0,61 (+0,15%)
     
  • S&P500

    4.063,08
    -13,49 (-0,33%)
     
  • DOW JONES

    34.348,18
    -46,83 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.940,25
    -122,50 (-1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4782
    +0,0128 (+0,23%)
     

Minério de ferro cai com desânimo econômico e pressões de oferta

Desembarque de minério de ferro no porto de Lianyungang, China

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro caíram nesta sexta-feira, com o ingrediente siderúrgico sendo negociado abaixo de 80 dólares por tonelada em Cingapura e liderando uma queda no mercado de ferrosos na China, estimulada por uma perspectiva sombria para a demanda global de aço e pressões do lado da oferta.

O minério de ferro mais negociado para novembro na Bolsa de Cingapura chegou a perder 3,6% nesta sexta-feira, a 78,80 dólares a tonelada, o menor nível desde 2020. O contrato caiu mais de 50% em relação ao pico de abril, quando estava acima de 160 dólares.

Na Dalian Commodity Exchange da China, o contrato mais ativo de janeiro encerrou as negociações diurnas com queda de 4,9%, a 624,50 iuanes (86,31 dólares) a tonelada, a caminho de sua terceira queda semanal consecutiva.

Enquanto isso, o minério de ferro spot caiu esta semana para o menor nível desde maio de 2020, abaixo de 90 dólares a tonelada, já que as margens negativas levaram as siderúrgicas chinesas a conter a produção.

Com o enfraquecimento da demanda global por aço e a economia da China, principal produtora de aço, atingida pelas restrições da Covid-19 e retração no mercado imobiliário, os analistas não veem uma recuperação no final do ano para aço e minério de ferro.

O Fundo Monetário Internacional disse que não espera uma resolução rápida para a turbulência imobiliária na China.

Novos lockdowns da Covid-19 na China, expectativas de novos aumentos nas taxas de juros nos EUA e sinais de aumento da oferta de minério de ferro também pressionaram os preços.

A australiana Fortescue Metals Group registrou um aumento anual de 4,2% nos embarques trimestrais, enquanto a brasileira Vale aumentou em 1,1% sua produção trimestral.

Outros insumos siderúrgicos também ampliaram as perdas, com o carvão metalúrgico em Dalian e o coque registraram quedas de 2% e 2,6%, respectivamente.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)