Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.346,07
    -88,94 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Minério de ferro atinge máxima em 17 meses em Dalian com otimismo sobre demanda na China

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos futuros de minério de ferro subiram mais de 3% na sexta-feira, com os preços da bolsa de Dalian atingindo o maior nível em 17 meses e estendendo os ganhos na semana devido ao otimismo contínuo sobre as perspectivas de demanda no maior produtor de aço do mundo, a China.

Depois de chegar ao fundo do poço em outubro, os preços do minério de ferro mudaram de rumo, sendo um dos maiores ganhadores no complexo de commodities com a súbita alteração da China de sua estratégia "zero-Covid" e apoio político para seu setor imobiliário em dificuldades.

As preocupações com a oferta global também estão impulsionando os preços do minério de ferro, com analistas citando interrupções relacionadas ao clima no Brasil e possíveis ciclones na Austrália --os maiores exportadores mundiais da matéria-prima siderúrgica-- e programas de manutenção de minas no primeiro trimestre.

O contrato de minério de ferro mais negociado na bolsa de Dalian encerrou o comércio diurno com alta de 3,4%, a 881 iuanes (130,96 dólares) a tonelada, depois de atingir o nível mais alto desde agosto de 2021, a 883 iuanes.

Na bolsa de Cingapura, o minério de ferro de referência operava em baixa, a 121,95 dólares/tonelada, por volta das 11h40 (horário de Brasília), após avançar até 3,5%, para 126,40 a tonelada, o maior nível desde junho passado.

Embora a China enfrente desafios no primeiro trimestre devido às altas taxas de infecção por Covid-19, "as perspectivas de crescimento melhorarão a partir do segundo trimestre, ajudadas pela recuperação do consumo doméstico, maior estabilização no mercado imobiliário e medidas monetárias e fiscais de apoio", disse o UOB Bank em nota.