Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.027,89
    -282,68 (-0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Minério entra em fase baixista com dúvidas sobre demanda chinesa

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O minério de ferro entrou em mercado baixista em meio à preocupação de que a forte demanda que impulsionou os preços para um recorde está sob risco diante das medidas da China para esfriar o boom das commodities.

A produção de aço recorde da China foi puxada pelo maior uso de sucata, que supera o crescimento do consumo de minério de ferro e indica que a demanda pelo insumo pode ter passado do pico, segundo o Morgan Stanley. A baixa nos mercados de ferrosos também coincide com a iniciativa da China de limitar a recente alta e moderar a especulação que ajudou a elevar os preços das matérias-primas.

“Achamos que o mercado subestima o papel crescente da sucata na produção de aço da China”, disseram analistas do banco como Marius van Straaten em relatório. “O aumento do uso de sucata é um risco estrutural significativo para o mercado transoceânico de minério de ferro”, segundo os analistas. Cada aumento de 1% na participação da sucata na China elimina 18 milhões de toneladas de demanda anual de minério de ferro, de acordo com o relatório.

O minério de ferro à vista caiu 5,6%, para US$ 178,15 a tonelada na quarta-feira. Com isso, a queda desde o recorde deste mês já supera 20% e se encaixa na típica definição de mercado baixista. Os futuros em Singapura perderam mais de 5%, para US$ 172,50, também uma baixa acima de 20% em relação ao pico.

A forte queda do minério de ferro e do aço em relação às máximas coincide com o maior controle de autoridades da China sobre os preços das commodities. O governo prometeu “tolerância zero” para violações de preços e está de olho em especuladores e investidores que acumulam apostas em um ativo. O regulador do setor bancário da China pediu aos bancos que parem de vender produtos financeiros atrelados a futuros de commodities para investidores de varejo, segundo a Reuters, que citou três pessoas não identificadas.

“Os embarques internacionais de minério de ferro melhoraram até agora em comparação com o ano passado, enquanto as minas domésticas aumentaram a produção”, escreveu a Huatai Futures em relatório. “A demanda pela matéria-prima ainda é robusta, apesar da queda das margens das usinas, resultando em estoques mais baixos recentemente.”

As remessas da Austrália subiram para 19,1 milhões de toneladas na semana até 21 de maio, segundo dados preliminares da Global Ports compilados pela Bloomberg. É o nível mais alto desde a semana até 1º de janeiro, enquanto os estoques de minério de ferro nos portos chineses caem há quatro semanas seguidas, de acordo com dados da Mysteel Global.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.