Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,08
    +0,51 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.823,70
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    20.835,10
    -293,08 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,80
    -6,00 (-1,30%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.069,50
    +29,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0243 (-0,44%)
     

Millennials americanos largam mais o emprego que Geração Z

(Bloomberg) -- Trabalhadores de todos os tipos tem largado seus empregos na debandada de postos de trabalho nos EUA, chamada de Great Resignation. Mas os Millennials são os mais propensos a sair.

Cerca de dois terços dos chefes dizem queMillennials americanos largam mais o emprego que Geração Z essa geração de trabalhadores na faixa entre 26 e 40 anos tem a maior taxa de rotatividade em suas empresas, segundo pesquisa com 72 executivos que empregam cerca de 400.000 pessoas. Um terço dos entrevistados disse que os funcionários da Geração Z, entre 20 e 25 anos, são os que mais saem, e apenas 4% disseram que a Geração X, na casa dos 40 e 50, são os que mais desistem.

Os últimos dois anos destacaram “uma crescente desconexão entre as chefias e suas linhas de frente”, disse Mark Williams, diretor administrativo para Europa, Oriente Médio e Africa da WorkJam, a empresa de software que realizou a pesquisa. “Os funcionários não se sentem ouvidos e apreciados.”

Empresas de todos os setores e países têm lutado contra o aumento da rotatividade e trabalhadores continuam a abandonar seus empregos em números recordes. As saídas foram alimentadas em parte por uma sensação crescente durante a pandemia de que a vida é muito curta para ficar preso a um trabalho insatisfatório.

Isso é confirmado pela pesquisa, que sugeriu que o motivo mais comum para as saídas da Geração Z foi a falta de apreciação, seguida por um desejo de mais flexibilidade e frustração com a progressão na carreira.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos