Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,01
    +0,25 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.808,00
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    18.839,21
    -1.446,55 (-7,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,82
    -26,65 (-6,18%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.511,25
    -179,75 (-1,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5056
    +0,0950 (+1,76%)
     

Militares chineses consideram satélites de Musk uma ‘ameaça’

Considerados uma ‘ameaça’, satélites de Musk viram alvos de militares chineses  (Photo by Joan Cros/NurPhoto via Getty Images)
Considerados uma ‘ameaça’, satélites de Musk viram alvos de militares chineses (Photo by Joan Cros/NurPhoto via Getty Images)
  • Cientistas das Forças Armadas chinesas pedem a construção de armas para destruir os equipamentos;

  • A preocupação é os satélites de Musk possam ter utilidade militar;

  • Segundo os pesquisadores, os aparatos espaciais podem se chocar propositalmente com os satélites chineses.

A empresa de banda larga de Elon Musk, Starlink, e a sua constelação de satélites, se transformaram em alvo de debate sobre segurança nacional na China. Por entenderem que os aparatos espaciais representam uma ameaça à defesa do país, cientistas das Forças Armadas chinesas pedem que o governo trabalhe no desenvolvimento de uma arma capaz de destruir os equipamentos. Um dos primeiros passos recomendados é analisar a empresa do ponto de vista militar.

Uma das preocupações da equipe é que cargas militares possam ser lançadas ao espaço junto aos satélites. Para monitorar essa possibilidade, os cientistas sugerem a criação de um sistema de vigilância capaz de rastrear cada equipamento espacial da Starlink. Recentemente a empresa adquiriu autorização da Anatel para operar em órbita baixa no Brasil.

As questões e recomendações foram publicadas em um artigo na revista China's Modern Defense Technology. Entre elas, o aumento exponencial da capacidade de transmissão de dados em drones e jatos americanos, além disso, a constelação de satélites da Starlink possibilitaria o rastreamento de mísseis hipersônicos. Em um dos trechos, o documento fala ainda que os equipamentos da Starlink poderiam ser usados para “se chocar” propositalmente com os satélites chineses.

No texto, ainda é citado o desejo dos pesquisadores em viabilizar a desativação de algumas funcionalidades da constelação “para garantir a segurança nacional".

O principal diferencial da empresa de Musk em relação a outras companhias do segmento é justamente a alta velocidade de conexão alcançada. O posicionamento dos atuais 4,4 mil satélites lançados em órbita baixa pode ser uma das explicações para o desempenho da Starlink no fornecimento de internet.

A quantidade de satélites da empresa já gerou um impasse com a China no ano passado. Na ocasião, o governo do país revelou o desconforto com a Starlink, chegando a enviar uma reclamação para a Organização das Nações Unidas (ONU). O motivo é que a constelação de Musk forçou a Estação Espacial Chinesa Tiangong a realizar manobras de emergência para escapar de colisões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos