Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,69
    -0,80 (-1,22%)
     
  • OURO

    1.868,00
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    40.666,89
    -4.372,20 (-9,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.128,94
    -124,21 (-9,91%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.168,00
    -44,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Milho, soja e trigo fecham em alta em Chicago após semana volátil

Christopher Walljasper
·1 minuto de leitura
Grãos de milho fotografados em Dixon, Nebraska (EUA)

Por Christopher Walljasper

CHICAGO (Reuters) - Os contratos futuros de milho, soja e trigo negociados em Chicago avançaram nesta sexta-feira, após três dias de operações voláteis, na esteira de um rali que os levou a máximas de oito anos, disseram operadores.

O vencimento mais ativo do milho fechou em alta de 25 centavos de dólar, a 6,7325 dólares por bushel, acumulando salto de 40,75 centavos, ou 6,4%, na semana.

A soja avançou 32 centavos, para 15,3425 dólares o bushel, com ganho de 8,25 centavos na semana, uma alta de 1,2%.

Já o trigo subiu 5,75 centavos, a 7,3475 dólares/bushel, e apurou acréscimo de 22,50 centavos, ou 3,2%, na semana.

"A volatilidade que temos visto provavelmente vai continuar na semana que vem, dado que o período de 'respiro' desta semana não nos deixou com muitas respostas", disse Dan Hussey, estrategista sênior do Zaner Group.

O tempo frio no início da temporada de desenvolvimento das safras do Meio-Oeste dos Estados Unidos e a seca no sul do Brasil têm exacerbado temores relacionados à oferta global, em momento em que a demanda chinesa segue forte.

(Reportagem adicional de Gus Trompiz, em Paris, e Colin Packham, em Camberra)