Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,42
    +1,60 (+2,51%)
     
  • OURO

    1.843,20
    +19,20 (+1,05%)
     
  • BTC-USD

    49.382,87
    +101,64 (+0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.380,89
    +22,33 (+1,64%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.394,00
    +293,75 (+2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3972
    -0,0153 (-0,24%)
     

Milho recua em Chicago após relatório do USDA sobre estoques globais

Christopher Walljasper
·1 minuto de leitura

Por Christopher Walljasper

CHICAGO (Reuters) - Os contratos futuros do milho negociados em Chicago recuaram nesta sexta-feira, após o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) divulgar números dentro das estimativas de analistas para oferta e demanda no mundo.

O trigo ganhou força diante de uma redução na oferta global, desencadeada pelo uso do cereal como ração na China, enquanto a soja terminou em baixa devido a um aumento na previsão de produção na América do Sul.

O contrato mais ativo do milho fechou em queda de 2,50 centavos de dólar, a 5,7725 dólares por bushel, após atingir a marca de 5,95 dólares no início da sessão.

O trigo avançou 10 centavos, para 6,3875 dólares o bushel. Já a soja recuou 12,25 centavos, a 14,03 dólares/bushel.

Em seu relatório mensal de oferta e demanda globais, o USDA indicou que os estoques domésticos de milho vão cair para 1,352 bilhão de bushels até 1º de setembro, ante 1,502 bilhão na estimativa de março. O número, porém, ficou em linha com as expectativas de analistas.

"No milho, grande parte disso já foi digerido pelo mercado", disse Don Roose, presidente da U.S. Commodities.

Na soja, o recuo foi puxado pela previsão do USDA de que a safra do Brasil em 2020/21 deve somar 136 milhões de toneladas, acima do projetado pelo próprio país.

(Reportagem adicional de Gus Trompiz em Paris e Naveen Thukral em Cingapura)