Mercado abrirá em 4 h 21 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,90
    +0,15 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.726,70
    -6,90 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    50.732,94
    +1.908,96 (+3,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,84
    +28,75 (+2,91%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.684,20
    +70,45 (+1,07%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.179,00
    +123,75 (+0,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Milhares protestam em Viena após marcha da extrema direita contra restrições ser proibida

·1 minuto de leitura

VIENA (Reuters) - Milhares de manifestantes entraram em conflito com a polícia em Viena neste domingo no local onde estava previsto um protesto da extrema direita, que foi proibido, contra as restrições para enfrentar o coronavírus.

A polícia de Viena proibiu protestos planejados para este fim de semana, incluindo um que era organizado pelo Partido da Liberdade, de extrema direita, sob a justificativa de que os manifestantes no geral não têm obedecido as regras de distanciamento social e não costumam usar máscaras.

Desde 26 de dezembro, a Áustria está em seu terceiro lockdown nacional, com o fechamento de comércio não essencial e de muitos outros negócios, cujos funcionários não têm conseguido trabalhar.

O opositor Partido da Liberdade denunciou várias restrições como “loucura do corona” e seus líderes têm enviado mensagens contraditórias em assuntos como a vacinação.

A afiliação de muitos dos manifestantes de domingo não ficou imediatamente clara.

Alguns deles, no entanto, expressaram apoio ao Partido da Liberdade e muitos se opuseram ao chanceler conservador Sebastian Kurz, cantando e mostrando faixas dizendo “Kurz precisa ir embora” --frequentemente sem usar máscaras. Muitos carregavam bandeiras da Áustria.

(Por Lisi Niesner and François Murphy)