Mercado abrirá em 8 hs
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,73
    +0,17 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.910,20
    +4,50 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    13.088,24
    -20,54 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,82
    -2,59 (-0,98%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.609,02
    -309,76 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    23.405,41
    -88,93 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    11.500,50
    +8,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6454
    +0,0049 (+0,07%)
     

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Minsk, na Bielorrússia

Valor, Com Agência O Globo
·1 minuto de leitura

Aos gritos de “vá embora”, população pediu que Alexander Lukashenko renuncie Milhares de pessoas voltaram hoje às ruas da cidade de Minsk, capital da Bielorrússia, no sexto fim de semana seguido de protestos contra o presidente Alexander Lukashenko. Aos gritos de “vá embora”, a população pediu que o líder renuncie, informou a agência Reuters. Pelo menos 10 pessoas foram detidas, disse a agência de notícias russa Tass, segundo a polícia. Vídeos compartilhados por meios de comunicação locais mostraram forças de segurança com capacetes ou máscaras retirando os manifestantes das ruas. O país do Leste Europeu mergulhou em turbulência em agosto após eleição presidencial em que Lukashenko diz ter vencido de forma esmagadora. A versão, porém, é rebatida pela oposição, que diz que o pleito foi fraudado. No poder por 26 anos, o ex-funcionário soviético não mostra intenção para renunciar, contando com apoio da Rússia. Hackers vazaram dados pessoais de mil policiais em retaliação pela repressão, com milhares de pessoas detidas — muitas se queixam de espancamentos e tortura após a prisão. O governo negou ter abusado de detidos. A União Europeia prometeu impor sanções a Minsk por supostas fraudes eleitorais e abusos dos direitos humanos.