Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,88
    +0,11 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.854,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    32.334,35
    -1.112,90 (-3,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,79
    -23,11 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.453,25
    -22,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6362
    -0,0158 (-0,24%)
     

Milícias digitais são versão contemporânea do autoritarismo, diz Barroso

Por Ricardo Brito
·1 minuto de leitura
Ministro Luís Roberto Barroso durante sessão do STF

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou nesta segunda-feira que as milícias digitais são uma versão contemporânea do autoritarismo e que querem destruir instituições.

"E com muita frequência, muitas vezes mesmo nas democracias, há um esforço de desacreditar o processo eleitoral quando não favoreça essa crença, é o que hoje se observa segundo alguns atores nos Estados Unidos com a recusa de aceitação do resultado que já parece definido”, disse ele, numa referência ao presidente dos EUA, Donald Trump, que ainda contesta a vitória do democrata Joe Biden.

Sem citar o presidente Jair Bolsonaro e simpatizantes do governo, Barroso disse que há quem use as redes sociais para criticar a imprensa e instituições.

"O conservadorismo radical, que não se confunde com o conservadorismo --que é uma opção política perfeitamente legítima--, eu me refiro ao conservadorismo radical que se manifesta pela intolerância, pela agressividade, procurando negar e retirar direitos de quem pensa diferente, além de contrariarem os consensos científicos em matérias diversas desde o aquecimento global até a vacinação”, afirmou.