Mercado abrirá em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,69
    +0,82 (+1,04%)
     
  • OURO

    1.941,70
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    22.997,65
    +110,64 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.792,76
    +21,06 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.145,25
    -6,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5282
    +0,0126 (+0,23%)
     

Microsoft vai integrar o ChatGPT no buscador Bing e pode ameaçar Google

A Microsoft pretende lançar uma versão do buscador Bing integrado ao ChatGPT, a inteligência artificial que responde a todo tipo de consulta. Segundo o site The Information, a criadora do Windows espera implementar o recurso até o fim de março de 2023.

O ChatGPT foi desenvolvido pela empresa de inteligência artificial OpenAI — a mesma criadora do DALL-E — e chama a atenção da web nos últimos dias. Ao implementá-lo no Bing, seria possível apresentar respostas mais humanizadas a perguntas, em vez de apenas apresentar informações básicas ou links para sites.

Essa movimentação deixa clara a intenção da Microsoft de rivalizar diretamente com o Google. Segundo um desenvolvedor do Gmail, o mecanismo de pesquisa poderia estar ameaçado se o ChatGPT atingir todo o seu potencial, afinal ele seria capaz de tirar dúvidas mais rapidamente do que uma consulta a site.

O próprio ChatGPT já responde à consulta sobre a parceria com o Bing (Imagem: Reprodução/The Information)
O próprio ChatGPT já responde à consulta sobre a parceria com o Bing (Imagem: Reprodução/The Information)

Google pode ser ameaçado pelo Bing?

O Google foi o pioneiro ao apresentar respostas em consultas de perguntas em pequenos painéis. A empresa usa esse recurso também para dar mais contexto em pesquisas sobre pessoas, lugares, empresas e fatos relevantes. O gráfico do conhecimento, como foi chamado, hoje se mostra extremamente relevante no navegador, porque dispensa a necessidade de acessar sites para ter os resultados desejados.

Dependendo de como as coisas evoluam, o ChatGPT poderia até incorporar novas funções para oferecer funcionalidades inéditas. Já pensou se o Bing conseguisse montar uma estratégia de marketing para vender um produto? Isso é algo que se espera do ChatGPT e que poderia se tornar uma função da busca.

O ChatGPT é bem diplomático ao dizer qual é o melhor buscador da internet (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)
O ChatGPT é bem diplomático ao dizer qual é o melhor buscador da internet (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)

É claro que tanto a IA quanto as perspectivas de uso ainda são bastante inconsistentes, já que é impossível determinar sua precisão. A tecnologia usa o GPT-3.5, um modelo de linguagem conversacional avançado para gerar respostas de modo humano. Mas o sistema também ainda reproduz algumas questões que precisam ser ajustadas como preconceitos, racismo e até fake news.

Até o momento, não se tem informação sobre um rival à altura do ChatGPT nem se o Google pretende lançar algo na mesma linha. A empresa já tem algumas inteligências artificiais de conversação em desenvolvimento, como o Duplex (usado para atualizar dados do Google Meu Negócio) e a LaMDA (que teria até contratado o próprio advogado).

Microsoft é parceira da OpenAI

A Microsoft já tem um relacionamento próximo da OpenAI, tanto que tem planos para integrar o DALL-E 2 ao Bing. O Image Creator, como foi chamado, deve permitir a criação de novas imagens a partir de coisas já existentes ou apenas com comandos de texto digitados na pesquisa do mecanismo de busca.

O Bing luta para tentar rivalizar de igual para igual com o Google, mas nunca obteve sucesso. Os desenvolvedores já o integraram ao Windows, forçando o uso em vários aplicativos e sistemas, mas isso não foi suficiente para torná-lo mais atrativo ao público.

Quem sabe apostar na inovação de uma IA popular seja a bala de prata para finalmente matar o monstro aparentemente insuperável?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: