Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,24
    -0,04 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.713,00
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    50.909,25
    +2.429,18 (+5,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.018,24
    +30,14 (+3,05%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.211,66
    -347,44 (-1,18%)
     
  • NASDAQ

    12.643,75
    -38,00 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7750
    -0,0037 (-0,05%)
     

Microsoft se une à imprensa europeia para obrigar big techs a pagarem por notícia

PAULA SOPRANA
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Microsoft anunciou nesta segunda-feira (22) uma cooperação com grupos de imprensa da Europa para garantir um modelo de arbitragem que leve empresas como Google e Facebook a pagarem por notícias publicadas em suas plataformas digitais. Em nota publicada em seu site, a companhia menciona inspiração na recente legislação australiana que determinou a divisão de receita das big techs com veículos de mídia. Essa lei motivou o Facebook a banir conteúdo noticioso originário do país desde a quinta-feira (18), acentuando uma discussão global sobre o modelo de negócio das empresas de tecnologia e o conteúdo criado por terceiros. "Agradecemos o reconhecimento da Microsoft sobre o valor que nosso conteúdo traz aos principais negócios de mecanismos de buscas e redes sociais, porque é de onde Google e Facebook geram a maior parte de suas receitas", afirmou Christian Van Thillo, presidente do EPC (European Publishers Council), conselho que reúne veículos de jornalismo europeus. O projeto inclui outras três associações setoriais de jornais e revistas, que representam os principais meios de comunicação do continente. A solução legal a ser desenvolvida pela Microsoft com as empresas mira "quem tem poder dominante no mercado". A Microsoft possui seu mecanismo de busca, o Bing, hoje irrelevante na participação de mercado se comparado ao Google. "Tais disposições devem considerar o modelo estabelecido pela lei australiana, que permite que um painel arbitral estabeleça um preço justo com base em uma avaliação dos benefícios derivados de cada lado em ter o conteúdo de notícias incluído nessas plataformas", diz a Microsoft. Caspet Klynge, vice-presidente da companhia americana, afirmou que em outubro de 2020 a Microsoft lançou uma iniciativa de investimento a veículos locais e que tem compartilhado uma porção de sua receita com veículos, sem citar números. Google e Facebook também investiram em medidas semelhantes ao jornalismo nos últimos anos. Autoridades têm se manifestado contra a decisão do Facebook de cessar a veiculação de conteúdo noticioso da Austrália a seus usuários. Segundo a AFP, o Departamento de Saúde australiano vai parar de realizar anúncios na plataforma de Mark Zuckerberg, onde direcionava conteúdo pró-vacina e contra a desinformação.