Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,25
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.712,50
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    50.971,99
    +2.593,00 (+5,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,43
    +31,33 (+3,17%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.191,44
    -367,66 (-1,24%)
     
  • NASDAQ

    12.639,25
    -42,50 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7767
    -0,0020 (-0,03%)
     

Microsoft propõe ocupar espaço se Google abandonar o mercado australiano

·2 minuto de leitura
A Microsoft afirmou que está disposta a melhorar sua ferramenta de busca Bing, que tem uma cota de mercado mínima, e abrigar os anunciantes australianos

A Microsoft propôs nesta quarta-feira o vazio que o Google poderia se deixar se o grupo suspender sua ferramenta de busca na Austrália em resposta ao projeto australiano de obrigar a empresa a remunerar os meios de comunicação por seus conteúdos.

O governo australiano trabalha em um "código de conduta vinculante" que busca administrar a relação entre os meios de comunicação tradicionais com graves dificuldades financeiras e os gigantes da internet que dominam grande parte da receita publicitária.

Tanto Facebook como Google ameaçaram suspender os serviços se o projeto australiano, atualmente no Parlamento, for aprovado em sua forma atual.

Em um comunicado, o presidente da Microsoft, Brad Smith, afirma que o grupo "apoia totalmente" o projeto que constitui "um passo adiante para um ecossistema digital más justo para os consumidores, as empresas e a sociedade".

Smith acrescentou que a Microsoft está disposta a melhorar sua ferramenta de busca Bing, que tem uma cota de mercado mínima, e abrigar os anunciantes australianos.

O presidente do grupo americano revelou que conversou na semana passada sobre o tema com o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, ao lado do CEO da empresa, Satya Nadella.

O código de conduta proposto pelo governo australiano exige que Google e Facebook negociem com cada meio de comunicação uma remuneração pelo uso de seus conteúdos. Caso não alcancem um acordo, um mediador deve tomar a decisão.

Os maiores grupos de imprensa do país, News Corp e Nine Entertainement, calculam que as compensações devem atingir centenas de milhões de dólares por ano.

Os grupos americanos, apoiados por Washington, afirmaram que o projeto sufocaria seu modelo empresarial e o funcionamento da internet.

A diretora geral do Google Austrália, Mel Silva, afirmou em janeiro no Senado australiano que se a lei for aprovada sem alterações, o grupo seria obrigado a suspender seus serviços de busca no país.

dm/jac/ybl/tjc/fp