Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.016,40
    +1.540,63 (+3,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Microsoft pode exigir assinatura para usuário manter e-mails antigos do Hotmail

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

Usuários de contas antigas do Hotmail estão recebendo uma surpresa bastante negativa ao acessarem seus e-mails, descobrindo que podem se ver obrigados a assinarem o Office 365 caso desejem manter as caixas de entrada funcionando. A notícia vale para os utilizadores que ultrapassaram o limite de armazenamento de 15 GB, com os perfis permanecendo bloqueados para envio e recebimento de mensagens até que dados antigos ou desnecessários sejam deletados, ou o pagamento seja realizado.

Limites de armazenamento em e-mails são normais; o problema é que, no caso do Hotmail, esse teto não teria sido informado aos utilizadores. Prova disso é que, em muitos casos, as contas contam com muito mais do que o dobro do espaço ocupado, com o bloqueio repentino obrigando os usuários a realizarem um pagamento rápido ou então gastem preciosas horas vasculhando contas com mais de uma década de existência para voltar a liberar a utilização.

O problema parece atingir principalmente os usuários antigos do Hotmail, que, em alguns casos, podem ter um perfil com mais de 20 anos de idade, oriundo dos tempos do MSN ou de uma época em que o serviço era um dos principais fornecedores de e-mails gratuitos. Em 2013, a Microsoft anunciou que a plataforma deixaria de funcionar, mas que todas as caixas de entrada seriam migradas para o Outlook, marca unificada de correio eletrônico da Microsoft que funciona até hoje.

<em>Reclamações em rede sociais citam contas que ocupam mais do que o dobro do limite do Outlook, com usuários, de repente, se vendo sem poderem utilizar mais seus e-mails (Imagem: Reprodução/The Daily Express)</em>
Reclamações em rede sociais citam contas que ocupam mais do que o dobro do limite do Outlook, com usuários, de repente, se vendo sem poderem utilizar mais seus e-mails (Imagem: Reprodução/The Daily Express)

A principal reclamação é de que o limite, apesar de aparentemente existente desde essa transição, nunca foi avisado aos usuários — e nem mesmo imposto, já que muitos descobriram, ao longo da última semana, ocuparem 40 GB em uma conta com limite de 15 GB, por exemplo. De repente, o serviço deixou de funcionar, em uma atitude que pode dificultar o funcionamento de pequenos negócios e pessoas comuns que utilizam a plataforma para se comunicarem.

Os valores cobrados pela companhia por uma assinatura do Office 365 são altos. No Brasil, o plano mais barato para uso doméstico custa R$ 29 por mês ou R$ 299 por um ano e entrega 50 GB de armazenamento no Outlook, além de 1 TB no OneDrive e, claro, os aplicativos da suíte de produtividade. A oferta também chamou a atenção negativamente, com os usuários alegando que, além dos valores altos, eles seriam obrigados a aderirem a um serviço de que não precisam de forma a recuperarem suas caixas de entrada.

A Microsoft, por enquanto, não se pronunciou sobre a mudança, enquanto usuários permanecem apenas com a opção de assinar o Office 365 ou excluir mensagens antigas ou pesadas. Não ficou claro, tampouco, porque os tradicionais avisos de que o armazenamento está chegando ao fim não teriam sido enviados aos utilizadores atingidos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: