Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.661,64
    +1.170,77 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Microsoft pode ajudar o Chrome a ficar mais veloz

·2 minuto de leitura

Quando a Microsoft abandonou o Edge antigo para se dedicar a um navegador totalmente construído com base no Chromium, projeto open source que serve de base para o Chrome, muita gente ficou com pé atrás. Agora, a parceria parece ter rendido frutos para ambos: a criadora do Windows está focada em um recurso para o Chrome que melhorará a velocidade das páginas internas do navegador no Windows, Linux, macOS e outras plataformas de desktop.

A novidade utilizará o cache — a memória interna do navegador — para garantir o carregamento instantâneo das páginas ao navegar no próprio Chrome. Isso não se aplicaria aos sites já abertos, mas a uma página com nova guia (chrome://) ou no ajuste de configurações do aplicativo.

A novidade facilitaria o carregamento do script feito para o protocolo chrome:// (Imagem: Captura de tela/Canaltech)
A novidade facilitaria o carregamento do script feito para o protocolo chrome:// (Imagem: Captura de tela/Canaltech)

No site de desenvolvedores do Chromium, uma equipe de engenheiros de software da Microsoft revelou estar trabalhando em um “cache de código” para scripts baseados no protocolo chrome://. De modo simplificado, a ideia é agilizar o carramento do script e evitar que todo o processo precise ser refeito de forma completa a cada execução — ao pular algumas “etapas”, a abertura seria mais ágil.

Os navegadores construídos sobre o código do Chromium usam scripts em páginas WebUI, como a “Nova guia”. Ao implementar a melhoria, a companhia teria observado uma redução variável entre 11% e 20% no tempo de abertura na guia ajustada.

Como alguns clientes não usam o cache do WebUI por padrão, a ideia dos engenheiros é permitir a habilitação via código e, futuramente, caso os testes sejam positivos, trazer a novidade como um recurso selecionável para o Chrome.

Por enquanto, tudo ainda está na fase experimental e não há sequer uma previsão de quando os testadores betas poderão desfrutar da novidade.

Melhorias de cache para o Chrome

Em paralelo ao trabalho da gigante de Redmond, o Google também tem uma equipe focada em usar o cache para melhorar a velocidade de carregamento das páginas da web. Esse recurso é chamado internamente de back-forward cache (memória de retornar/avançar), porque ele abre a página anterior e posterior instantaneamente no desktop.

O Chrome 92 começou a implementar essa novidade para alguns usuários e já foi possível notar aprimoramentos interessantes. É algo que já existe há um bom tempo no Android, mas novidade nos computadores de mesa e notebooks.

Parece que o foco atual dos criadores de apps são os ajustes no cache de navegação. Você notou alguma diferença no Chrome 92? Acredita que o novo trabalho da Microsoft pode ajudar a dar mais velocidade? Deixe sua opinião nos comentários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos