Mercado abrirá em 9 h 59 min
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,69
    -0,80 (-1,22%)
     
  • OURO

    1.868,40
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    40.372,78
    -4.657,09 (-10,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.120,04
    -133,10 (-10,62%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.164,75
    -47,25 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Microsoft lança simulador que mostra até onde um ciberataque pode ir na sua casa

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

A Microsoft está lançando um simulador de ciberataques. A ideia é ajudar pesquisadores e cientistas da área de segurança a entender o comportamento de agentes programados por inteligência artificial (IA), caso haja uma falha.

Chamado de CyberBattleSim, o programa é um projeto de código aberto e liberado para a comunidade. O time de pesquisas internas da Microsoft 365 produziu o modelo sob a interface Open IA Gym, baseada em Python. A ideia é que o usuário consiga entender os caminhos que agentes podem traçar em uma falha de segurança determinada por IA. O sistema distingue cada componente como um nodo que pode levar a outros setores do conjunto.

Por exemplo, um notebook Windows infectado comprometer outros aparelhos, servidores e rede. Nesta simulação, é possível ver até onde a ameaça poderia ir antes de ser detectada pela defesa.

Imagem: Reprodução/Microsoft
Imagem: Reprodução/Microsoft

“A simulação de ataque tem como objetivo mostrar ao usuário a parcela da rede que seria explorada com uma vulnerabilidade plantada. Quando um ataque simulado se move pela rede, agentes de defesa acompanham a atividade para detectar a presença de uma ofensiva e contê-la”, explica a Microsoft. De acordo com blog da empresa, a ideia também é gameficar o funcionamento de um cenário de ataque. Como a explicação teórica sobre o tema pode ser bastante complexa e desinteressante, a companhia prefere transformar a ofensiva em uma espécie de jogo a que qualquer pessoa pode ter acesso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: