Mercado fechará em 6 h 51 min

Microsoft lança no Brasil iniciativa de apoio para startups e desenvolvedores

Rui Maciel

A Microsoft lançou nesta quarta-feira (17), a primeira Microsoft Reactor na América Latina. Trata-se de uma iniciativa que apoiará o ecossistema de startups e desenvolvedores da região. São Paulo foi a cidade escolhida para abrigar o centro de aprendizado e compartilhamento técnico, onde os profissionais de tecnologia podem se conectar com a comunidade local e desenvolver novas habilidades para impulsionar a inovação em suas organizações.

O Microsoft Reactor São Paulo nasce em uma parceria com o hub da Distrito, a maior comunidade independente de inovação e startups da América Latina e que é composta por cinco centros de tecnologia. Devido à pandemia da COVID-19, inicialmente, o Microsoft Reactor terá todas as atividades realizadas de modo online. Posteriormente, quando as atividades presenciais forem retomadas, o Reactor terá como casa um dos espaços da Distrito, mais precisamente o prédio Distrito Adtech, localizado no bairro dos Jardins, zona oeste da cidade de São Paulo.

Durante a tarde desta quarta, a companhia realizou uma transmissão ao vivo para a imprensa para apresentar as novidades da nova iniciativa. O evento online contou com a participação de Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil; Franklin Luzes, vice-presidente de operações da Microsoft Participações; Gustavo Araújo, CEO da Distrito; Camila Achutti, CEO e Fundadora da MasterTech; e Licia Souza, CEO da WE Impact.

“Vivemos um momento em que a recapacitação tecnológica e a oferta de treinamento para o ecossistema de desenvolvedores e startups será ainda mais crucial para apoiarmos o desenvolvimento de inovações relevantes e geração de novos negócios no Brasil”, afirma Luzes.

"Precisamos parar de ser um país emergente para ser, de fato, a 9º economia do mundo. E para isso, precisamos cada vez mais de capacitação", declarou Cosentino. “E o Microsoft Reactor já é um programa com presença global consolidada e o lançamento da iniciativa no Brasil reforça o compromisso da Microsoft com a inovação no país e com o ecossistema de empreendedores e startups brasileiros para a criação de soluções colaborativas”, completa.

O que o Microsoft Reactor oferece

Enquanto os eventos presenciais não são recomendados, os interessados em participar do Reactor podem acessar no site oficial do programa os diversos cursos, treinamentos e paineis disponíveis. Muitos deles, inclusive são ministrados pelos desenvolvedores e startups localizados nos demais Microsoft Reactors espalhados pelo mundo, mais precisamente nas cidades de: Redmond, São Francisco, Nova York, Toronto, Londres, Estocolmo, Sidney, TelAviv, Abu Dhabi, Bangalore e Shangai.

Além disso, em suas dez semanas iniciais, o Reactor oferecerá cursos sobre ciência de dados, aprendizado de máquina, serviços de Inteligência Artificial (IA), blockchain e desenvolvimento web. Todo o conteúdo será gratuito e trará o que há de mais significativo nos principais tópicos de tecnologia, do nível introdutório ao avançado, para que os participantes construam a sua base de conhecimento. O calendário de eventos pode ser conferido clicando aqui. Importante: alguns dos conteúdos se encontram na língua inglesa.

Empreendedorismo feminino

A Microsoft declarou ainda que o lançamento da versão latino-americana do Reactor se conecta às demais iniciativas que a empresa já possui para apoiar o ecossistema de inovação de empreendedorismo. Em novembro de 2019, a empresa lançou o Women Entrepreneurship (WE), um programa que tem como proposta estimular o empreendedorismo feminino no país.

Essa primeira grande iniciativa do WE partiu da Microsoft Participações que, em parceria com Sebrae Nacional e a M8 Partners, estruturou o fundo WE Ventures, cujo foco é o investimento em startups lideradas por mulheres e que estejam no chamado estágio do “vale da morte”. Os aportes vão de R$ 1 milhão a R$ 5 milhões. O WE Ventures já recebeu apoio de mais duas empresas investidoras – Flex e Grupo Sabin – e pretende captar R$ 100 milhões em cinco anos, já tendo levantado R$ 30 milhões.

Dentro desse programa, duas startups foram beneficiadas com aporte do Fundo WE Ventures. São elas: Pack ID, que possui uma tecnologia para monitoramento de temperatura e umidade em tempo real para qualquer ambiente; e a We Impact, um ecossistema digital desenvolvido para acelerar o sucesso de mulheres fundadoras de startups em todo o país. A We Impact acompanha as fundadoras de startups ao longo de toda sua jornada empreendedora, investindo capital estratégico e financeiro (pré-seed) para remover as mais importantes barreiras que distanciam mulheres dos negócios tecnológicos, escaláveis e inovadores. Esta última também é parceira do Fundo para originação, desenvolvimento e acompanhamento das startups investidas.

O programa WE como um todo – incluindo WE Ventures e WE Impact – já tem 19 startups lideradas por mulheres sendo apoiadas e elas também poderão se beneficiar das ofertas do Microsoft Reactor São Paulo.

Outras iniciativas

Outro dos programas de apoio ao ecossistema de startups desenvolvidos pela criadora do Windows é o Microsoft for Startups. Por meio da oferta de créditos na plataforma de nuvem Azure, a iniciativa cria oportunidades de desenvolvimento e eventos exclusivos. Além disso, a ação foca no fortalecimento de startups para ajudá-las a expandir e escalar seus negócios.

Desde maio de 2020, todas as startups afiliadas ao Microsoft for Startups também passaram a ter acesso gratuito por até 12 meses à Power Platform, um grupo de aplicativos e serviços projetados pela Microsoft para ajudá-las a criar aplicativos comerciais personalizados, de nível profissional, voltados à automatização de fluxos de trabalho e visualização dinâmica de dados. No Brasil, a Microsoft já disponibilizou mais de US$ 205 milhões em créditos de nuvem Azure para startups. Desde 2011, aproximadamente 7,1 mil startups já foram apoiadas pela empresa em todo o país.

Além do WE, a Jornada Empreendedora já teve também o Fundo BR Startups, criado em 2014 pela Microsoft Participações. Ele fomentava o ecossistema de startups com investimentos entre R$ 500 mil e R$ 3 milhões em empresas nacionais. Além da Microsoft, era formado pelo Banco do Brasil Seguros, Banco Votorantim, Algar, Bayer, e Agência de Fomento do Estado do Rio de Janeiro (AgeRio). Em 5 anos de operação, o Fundo BR Startups captou R$ 32 milhões e investiu em 15 startups.

Fonte: Canaltech