Mercado abrirá em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,43
    -0,42 (-0,79%)
     
  • OURO

    1.836,50
    -8,40 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    31.124,28
    -658,00 (-2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    627,50
    -0,16 (-0,03%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.460,07
    -107,30 (-1,63%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.956,75
    -148,75 (-1,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Microsoft, Google, Cisco e Dell juntam-se contra empresa de segurança digital NSO

Raphael Satter
·1 minuto de leitura
Homem de capuz usa notebook em ilustração de atividade hacker

Por Raphael Satter

(Reuters) - Microsoft e Google aderiram à batalha jurídica aberta pelo Facebook contra a empresa de segurança digital NSO, afirmando que as ferramentas da companhia israelense são "poderosas e perigosas".

O Facebook abriu o processo nos Estados Unidos no ano passado depois da revelação de que a NSO explorou uma falha no WhatsApp para permitir a vigilância de mais de 1.400 pessoas no mundo.

A NSO argumenta que uma vez que vende ferramentas de invasão de sistemas de computadores para a polícia e agências de espionagem, deveria se beneficiar de "imunidade soberana", um mecanismo jurídico que isola governos estrangeiros de se sujeitarem a processos. A NSO, porém, teve a defesa rejeitada em julho por um tribunal na Califórnia e desde então apela para reverter a decisão.

Microsoft, Google, Cisco e VMWare, controlada pela Dell, e a Associação Internet, sediada em Washington, juntaram forças com o Facebook para argumentarem que a concessão de imunidade soberana para a NSO vai levar à proliferação de tecnologia de invasão de computadores e a "mais governos estrangeiros com poderosas e perigosas ferramentas de vigilância digital". Isso significa "um aumento dramático nas oportunidades para que estas ferramentas caiam em mãos erradas", afirmam as empresas.

A NSO, que não comentou o assunto, argumenta que seus produtos são usados no combate ao crime. Mas ativistas e defensores dos direitos humanos afirmam que há casos documentados nos quais a tecnologia da NSO foi usada contra jornalistas, advogados e mesmo contra nutricionistas que fazem campanha pela taxação de refrigerantes.