Mercado fechará em 4 h 55 min

Microsoft encerra Mixer e leva streamers para o Facebook Gaming

Wagner Wakka

A Microsoft cancelou o projeto do Mixer, até então a plataforma da empresa onde os jogadores podiam transmitir suas partidas. Em publicação oficial, o chefe da divisão de games da companhia, Phil Spencer, informou que o Mixer deixará de existir no dia 22 de julho e os streamers serão migrados automaticamente para o Facebook Gaming.

A migração também se aplicará aos parceiros da plataforma, que serão alocados em programas de parcerias do Facebook. A mudança já começou a acontecer e deve durar até o dia 22 de julho, quando o Mixer será finalmente fechado. “Os parceiros vão receber uma atualização do Mixer sobre como iniciar esse processo”, informa o blog oficial da plataforma.

Os influenciadores que estão inseridos no programa de monetização do Mixer vão poder automaticamente entrar no programa Level Up do Facebook Gaming, o qual também permite monetização. “O Facebook Gaming vai dar prioridade para os streamers nesta condição”, explica o blog.

Com isso, todos os apps e site do Mixer, a partir de 22 de julho, vão começar a direcionar usuários para o Facebook Gaming. Apesar disso, não foi especificado o que acontecerá com o aplicativo do Mixer no Xbox One, se ele será substituído para o agora parceiro Facebook ou se o console ficará sem uma opção nativa para transmissões online.

Para ajudar os influenciadores, a Microsoft vai pagar em dobro para os influenciadores pelas doações do público no serviço até dia 22 de julho.

Por que a mudança? 

Em entrevista ao The Verge, Spencer foi claro sobre os motivos que levaram ao fim da plataforma. A Microsoft tinha a expectativa de que o Mixer tivesse um crescimento maior, sendo que a plataforma estava estagnada. Nisso, a rede social precisava ou investir mais para alcançar um público maior, ou modificar a estratégia.

“Começamos bem atrás em número de espectadores em comparação com outros grandes do mercado. Acredito que a comunidade do Mixer vai realmente se beneficiar com uma audiência maior que o Facebook tem com suas propriedade e habilidades de chegar aos jogadores de uma forma muito parecida com que tem o próprio Facebook como rede social”, informou o chefe da divisão.

O motivo pelo qual a Microsoft quer uma forte plataforma de streaming é ter uma vitrine para o xCloud, o seu serviço de jogos por nuvem. A tecnologia está em testes e permite jogar games dos consoles da companhia por streaming em PCs, tablets e smartphones. Assim, caso uma pessoa esteja vendo alguém transmitir um game, poderia simplesmente clicar em um link para começar a jogar o título transmitido.

Atualmente, a rede social de Mark Zuckerberg conta com dois bilhões de usuários ativos por mês. É este o público que Spencer quer alcançar. “Acreditamos que o xCloud é a oportunidade de oferecer gameplay a dois bilhões de jogadores. Sabemos que será criticamente importante que nossos serviços cheguem a uma ampla audiência e o Facebook claramente nos dá essa oportunidade”, comentou ao The Verge.

E o Ninja como que fica? 

Tyler Blevins, conhecido como Ninja, atualmente é um dos influenciadores mais conhecidos no segmento gamer. Com Fortnite, ele bateu recordes de visualização no YouTube e na Twitch, mas foi para o Mixer após assinar um contrato milionário com a Microsoft, estimado entre US$ 20 milhões e US$ 30 milhões.

O streamer ainda não anunciou se vai se juntar ao Facebook ou se retornará à Twitch. Em todo caso, não deve fazer essa decisão sem um bom contrato. Vale lembrar que, no passado, Ninja já havia recusado propostas para ir para a plataforma da rede social. Agora, segundo porta-voz do Facebook, a escolha é do próprio influenciador. “Eles que sabem quais suas próprias prioridades”, disse a empresa.


Além de Ninja, Cory “King Gothalion” Michael e Michael “Shroud” Grzesiek também tinham contratos com a Microsoft e estão na mesma situação.

Fonte: Canaltech