Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,51
    +0,37 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.872,10
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    23.332,19
    +518,65 (+2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,85
    +12,89 (+2,45%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.465,80
    -219,67 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.756,00
    -20,75 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5787
    +0,0016 (+0,03%)
     

Riscos em pintura rupestre de 20.000 anos podem ser escrita mais velha do mundo

Em novo estudo de pinturas rupestres, cientistas propõem que pontos, riscos e desenhos em Y com 20.000 anos nas cavernas da Europa possam ter sido um sistema primitivo de escrita, ou, na verdade, proto-escrita. Segundo os especialistas, essa seria uma forma de marcar o comportamento de animais no que tange seu ciclo migratório, reprodutivo e comportamental, já que os rabiscos acompanham desenhos das criaturas.

As anotações antigas seriam uma forma de registrar informações importantes sobre as presas que os homens primitivos caçavam, sinais abstratos à primeira vista, mas que requereriam capacidades de abstração e cognição sofisticadas. A classificação de tais símbolos como uma proto-linguagem, no entanto, é contestada por diversos cientistas, que, embora concordem que nossos ancestrais teriam a capacidade cognitiva para tal, apontam possíveis erros nas evidências.

A presença dos riscos e pontos junto aos animais pode representar ciclos de reprodução e migração (Imagem: Bacon et al./Cambridge Archaeological Journal)
A presença dos riscos e pontos junto aos animais pode representar ciclos de reprodução e migração (Imagem: Bacon et al./Cambridge Archaeological Journal)

Como funcionaria a proto-escrita

Os povos caçadores-coletores do passado acompanhavam manadas de animais como cervos, bisões e cavalos, que apareciam em diferentes estações. Saber quando as migrações ocorriam, quando os bichos acasalariam e dariam à luz era importantíssimo para a sobrevivência no Paleolítico. Analisando centenas de símbolos, os cientistas descobriram que, no caso dos pontos e linhas, eles nunca passavam do número 13.

Essas sequências de até 13 riscos batem com os 13 meses lunares de cada ano — seria uma forma inteligente de marcar, mensalmente, o comportamento dos grupos de animais observados pelos antigos humanos. Isso faria sentido contando o início do "calendário" como sendo na primavera, cuja chegada é bem clara, e corresponde com as marcações em relação à fauna e seus períodos de acasalamento.

Foram mais de 800 sequências de sinais analisadas estatisticamente, coincidindo com sua associação a cada animal desenhado. Um símbolo em forma de "Y" também foi estudado, e, de acordo com os cientistas, seria indicativo da época em que cada bicho daria à luz. Assim, esse seria um protossistema de escrita, um intermediário entre as representações mais básicas e a escrita em si.

Ocorrência do símbolo
Ocorrência do símbolo "Y" nas pinturas rupestres, possível indicativo de quando animais dão à luz (Imagem: Bacon et al./Cambridge Archaeological Journal)

Controvérsias

Embora muitos cientistas considerem bem-vindas as tentativas de desvendar a possível linguagem antiga, há alguns problemas apontados na pesquisa. A maioria dos animais representados nas cavernas, por exemplo, são quadrúpedes, enquanto os humanos, bípedes, tinham o costume de dar à luz em posição agachada. O símbolo "Y" como representante icônico do parto, então, não seria tão óbvio.

Há alternativas, como a representação do músculo braquiocefálico dos cavalos, que tem forma de Y, ou outras características anatômicas, como pelos ou pernas. O estudo também focou em poucos símbolos. Há uma década, pesquisadores já haviam criado uma base de dados com mais de 200 cavernas do sul da França e da Espanha, sítios arqueológicos contendo dúzias de sinais. Pelo menos 32 dos símbolos são recorrentes, e os cientistas da proto-escrita resolveram focar em apenas 3.

Eles defendem a escolha, já que o trio de sinais é o mais representado: os riscos e pontos são, de longe, os mais comuns, e entre os mais complexos, o Y também é o mais usado. O foco é, no fim das contas, nas bases cognitivas e linguísticas do sistema de escrita, ao invés do significado individual de cada signo, mas os pesquisadores planejam estudar os 90% restantes também.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: