Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,49
    +2,06 (+1,90%)
     
  • OURO

    1.808,90
    +7,40 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    20.303,12
    +1.035,64 (+5,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    440,82
    +20,68 (+4,92%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.453,50
    +299,69 (+1,15%)
     
  • NASDAQ

    11.708,25
    +97,00 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5471
    -0,0069 (-0,12%)
     

Microsoft desiste ferramenta que 'reconhece emoções'

Expressões faciais consideradas universais pelo aplicativo diferem entre populações distintas (Getty Image)
Expressões faciais consideradas universais pelo aplicativo diferem entre populações distintas (Getty Image)
  • Microsoft decidiu descontinuar o projeto de inteligência artificial

  • A revisão é ancorada na revisão das políticas de ética da empresa

  • A corporação parou de oferecer o serviço para novos usuários

Projetada para identificar a emoção de um usuário a partir de fotos e vídeos, a Azure Face será descontinuada. O software da Microsoft, alimentado por inteligência artificial, foi deixado de lado após ser criticado por generalizar o reconhecimento de expressões.

Quando lançado, especialistas apontavam que as expressões faciais consideradas universais pelo aplicativo diferem entre populações distintas. Isso significa que não é possível igualar demonstrações externas em diferentes nacionalidades.

“As empresas podem dizer o que quiserem, mas os dados são claros e irrefutáveis. Essas ferramentas podem detectar um rosto carrancudo, mas isso não significa o sentimento de raiva. Essa afirmação é completamente subjetiva”, explica Lisa Feldman Barrett, professora de psicologia da Northeastern University, em entrevista ao The Verge.

A decisão de não seguir em frente com o projeto é ancorada na revisão das políticas de ética de inteligências artificiais da Microsoft. A corporação pretende limitar o acesso a alguns recursos de serviços de reconhecimento facial, além de remover outros completamente de sua lista de apps.

“Especialistas dentro e fora da empresa destacaram a falta de consenso científico sobre a definição de 'emoções'. Além disso, os desafios de como as inferências se generalizam conforme o uso, regiões e dados demográficos geram preocupações de privacidade em torno desse tipo de capacidade”, afirmou a diretora de IA da Microsoft Natasha Crampton.

Com isso, a empresa parou de oferecer o serviço para novos usuários. No caso de quem já utilizava a ferramenta, o acesso deverá ser revogado em junho de 2023.

“A ferramenta tem um potencial empolgante em educação, acessibilidade e entretenimento, mas também pode ser usada de forma inadequada para enganar os ouvintes", reforçou Sarah.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos