Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.347,55
    -104,24 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Microsoft dá péssima notícia para fãs de Silent Hill e Final Fantasy

Quem acompanha o mercado de jogos está acostumado a ouvir sobre acordos de exclusividade, mas é bem mais raro o comentário sobre contratos de “exclusão”. Mas foi justamente isso que a Microsoft acusa a Sony de fazer com grandes jogos como o remake de Silent Hill 2, Final Fantasy XVI, Bloodborne e outros, pagando para que eles não chegassem às plataformas Xbox.

A fala vem como parte de uma resposta da companhia à Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) do governo dos EUA, como parte do imbróglio envolvendo a compra da Activision-Blizzard. No processo em andamento na justiça americana, a acusação é de que a Microsoft estaria tentando monopolizar o mercado, com a companhia rebatendo com práticas de sua rival que considera anticompetitivas.

Nos documentos, a gigante diz que acordos de exclusão são práticas comuns nas parcerias entre a empresa japonesa e desenvolvedoras parceiras, que são incentivadas não a trabalhar exclusivamente com o PlayStation, mas sim a excluir o Xbox. Os contratos seriam parte de uma estratégia para ampliar o domínio da Sony sobre o setor.

A Microsoft vai além, citando que os games, principalmente os distribuídos pela Konami e Square Enix, trabalham em um sistema de exclusividade temporária, sendo restritos apenas ao PlayStation pelos primeiros 12 meses após o lançamento. Depois disso, entretanto, eles ainda não podem ser lançados no Xbox, chegando somente ao PC como aconteceu com o remake de Final Fantasy VII, outro grande blockbuster citado pela empresa americana como ferramenta de controle do mercado.

Em comunicado que acompanhou a submissão de um documento de 36 páginas que serve como resposta à FTC, a Microsoft disse estar comprometida com a defesa da competitividade no mercado de games e que busca chegar a soluções criativas junto aos regulares, de forma que esse aspecto seja mantido. A expectativa é de um acordo, caso contrário, o caso será levado aos tribunais.

A análise da resposta é de apontar de dedos no que toca a Sony, mas pouca agressividade nas relações com o governo americano. Enquanto a empresa se mostrou impassível em sua ideia de lançar jogos da Activision no Game Pass em seus respectivos lançamentos, outros pontos estão abertos a discussões; entretanto, a Microsoft afirma que a abertura do processo pela FTC é uma violação dos direitos constitucionais da empresa, principalmente no que toca a neutralidade da avaliação, com a ação sendo movida a partir de julgamentos prévios do órgão sobre o caso.

No Brasil, o negócio já foi aprovado, mas lá fora, as discussões continuam. Enquanto outros órgãos regulatórios da Europa também trabalham em suas próprias investigações sobre o caso, não existem datas oficiais para novos andamentos sobre o processo movido pela FTC. Square Enix e Konami também não se pronunciaram sobre o assunto, muito menos sobre a possibilidade de lançamento do remake de Silent Hill 2 e Final Fantasy XVI para Xbox.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: