Mercado abrirá em 9 h 41 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,58
    +0,11 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.890,70
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    22.911,16
    -367,45 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    527,89
    -9,00 (-1,68%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.386,75
    +103,23 (+0,49%)
     
  • NIKKEI

    27.470,75
    -135,71 (-0,49%)
     
  • NASDAQ

    12.585,50
    +40,25 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5749
    +0,0075 (+0,13%)
     

Microsoft acusa Sony de influenciar decisões do governo britânico

Sony estaria tentando impedir fusão entre Microsoft e Activision Blizzard através da agências regulatórias (KAZUHIRO NOGI/AFP via Getty Images)
Sony estaria tentando impedir fusão entre Microsoft e Activision Blizzard através da agências regulatórias (KAZUHIRO NOGI/AFP via Getty Images)
  • Empresa japonesa está tentando impedir fusão entre Microsoft e Activision Blizzard;

  • Sony já disse disse contrária à união entre as duas empresas antes, afirmando que o acordo é ruim para o cenário de jogos;

  • Microsoft acusou a rival de boicotar sua aprovação nos órgãos reguladores estatais.

A Microsoft acusou a Sony, sua rival no mundo dos jogos, de influenciar as decisões da Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA), órgão regulador do poder econômico do Reino Unido. A agência está supervisionando a fusão entre a empresa e a Activision Blizzard no país.

Segundo as declarações da Microsoft nesta quarta-feira, a empresa japonesa está tentando prejudicar seu acordo de US$ 69 bilhões, ou R$ 360 bilhões. "A decisão incorretamente se baseia em declarações egoístas da Sony que exageram significativamente a importância de 'Call of Duty' e negligenciam a clara capacidade da Sony de responder competitivamente", disse a empresa.

No mês passado a CMA afirmou que a fusão da empresa americana com a Activision Blizzard, uma das maiores produtoras e desenvolvedoras de jogos eletrônicos do mundo, poderia prejudicar a concorrência e que iria investigar mais o assunto.

"A CMA está preocupada que ter controle total sobre este poderoso catálogo (...) pode resultar na Microsoft prejudicando os consumidores e a capacidade da Sony - rival mais próxima da Microsoft - de competir", disse o órgão regulador.

"Nossa investigação é sobre proteger a concorrência no Reino Unido. A decisão da Fase 1 identificou três áreas em que o acordo pode causar danos: consoles, serviços de assinatura de vários jogos e serviços de jogos em nuvem", disse um porta-voz da CMA.

Com a fusão, a Microsoft se tornaria dona de grandes franquias de videogame, como "Call of Duty". Apesar de já ter se comprometido a não realizar ações que prejudiquem o acesso e a performance do jogo no PlayStation, console da Sony, as falas da Microsoft parecem não ter sido levada a sério pela gigante japonesa e pelos órgãos estatais.

A Sony afirmou através de um porta voz que o acordo seria "ruim para a concorrência, ruim para a indústria e ruim para os próprios jogadores".

"Esse acordo dará ao ecossistema Xbox uma combinação única de tecnologia e conteúdo e, portanto, uma posição dominante em videogames, com consequências devastadoras para consumidores, desenvolvedores independentes e para a própria Sony", disse.

Para se fruir, a fusão deve ser aprovada por órgãos regulatórios importantes ao redor do mundo, como nos Estados Unidos, na China e na União Europeia. No Brasil, a fusão está sendo supervisionada pelo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).