Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.914,40
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    11.943,96
    +886,95 (+8,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.709,25
    +48,50 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    0,0000 (0,00%)
     

Michelle Bolsonaro pede investigação sobre ofensas sofridas na internet: 'Crime contra a honra'

João de Mari
·1 minuto de leitura
Brazil's first lady Michelle Bolsonaro removes her mask amid the COVID-19 pandemic in order to speak at an event promoting a government campaign against domestic violence at Planalto presidential palace in Brasilia, Brazil, Friday, May 15, 2020. (AP Photo/Eraldo Peres)
Em casos como esse, a própria vítima precisa ir pessoalmente dizer ao delegado que quer iniciar uma investigação (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

A primeira-dama Michelle Bolsonaro, esposa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), compareceu à Delegacia de Crimes Eletrônicos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), localizada em São Paulo, para pedir abertura de inquérito que investigará ofensas sofridas por ela na internet. Ela foi ouvida nesta quinta-feira (24).

Segundo a polícia, a defesa de Michelle fez um requerimento para que sejam investigadas ofensas recebidas por ela na internet, que podem configurar crime contra a honra. Em casos como esse, a própria vítima precisa ir pessoalmente dizer ao delegado que quer iniciar uma investigação.

Além disso, a investigação será feita em São Paulo pois o provedor de internet de onde partiram as ofensas contra a primeira-dama fica no estado.

Leia também:

Segundo informações do G1, a primeira-dama permaneceu cerca de 10 minutos no prédio do Deic. Ela deixou o local sem fazer declarações à imprensa.

De acordo com os investigadores, o caso será assumido pela 4ª Divisão de Investigações Gerais do Deic, na delegacia de crimes cometidos por meios eletrônicos, liderada pelo próprio delegado Carlos Ruiz.