Mercado abrirá em 8 mins
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,61
    +0,70 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.850,50
    -29,10 (-1,55%)
     
  • BTC-USD

    39.456,21
    +3.501,67 (+9,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    980,84
    +39,03 (+4,14%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.143,37
    +9,31 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.023,25
    +29,00 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1861
    -0,0065 (-0,10%)
     

Miami dará vacina contra Covid em aeroporto, e Nova York planeja oferecê-la a turistas

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O aeroporto internacional de Miami começará a oferecer vacinas contra a Covid-19 na segunda-feira (10). Poderão ser imunizados funcionários do local e viajantes que vivem ou trabalham no estado da Flórida.

A imunização ocorrerá em dois pontos do aeroporto, entre os dias 10 e 14 de maio, 1º e 4 de junho e em 7 de junho, das 8h às 16h. Lá, os postos no local oferecerão vacinas da farmacêutica Pfizer, aplicada em duas doses. Nos EUA, a segunda injeção deve ser tomada 21 dias após a primeira.

Cada estado determina as regras para a aplicação do imunizante. Na Flórida, as doses da vacina estão disponíveis para todos os residentes e trabalhadores locais com mais de 16 anos. Os postos de aplicação não exigem a apresentação de um comprovante de residência no Estado e é preciso levar apenas um documento com foto, que pode ser o passaporte.

Em Nova York, a prefeitura anunciou, nesta quinta (6), planos para oferecer o imunizante a turistas em pontos icônicos da cidade, como o Central Park e a Times Square. As injeções deverão ser dadas em vans posicionadas nesses locais, que oferecerão o fármaco da Janssen, de apenas uma dose.

"Venha para cá, é seguro, é um lugar bom para estar, e nós vamos cuidar de você", disse o prefeito da metrópole, o democrata Bill de Blasio, ao anunciar o projeto.

O plano ainda não tem data para entrar em vigor, pois depende de autorização do estado de Nova York. Pelas regras atuais, apenas residentes e trabalhadores locais podem ser imunizados.

Ambas as cidades americanas querem acelerar a volta dos turistas. Em 2019, Nova York recebeu 66,6 milhões de viajantes. A expectativa do órgão de turismo da cidade é a de que 36,4 milhões de pessoas visitem a metrópole em 2021 e que o turismo só volte ao nível pré-pandemia em 2024.

Até esta quinta-feira (6), os EUA já haviam aplicado ao menos uma dose da vacina em 149,4 milhões de pessoas (45% da população), e 108,9 milhões (32% do total) já estão plenamente vacinados. O país começou a imunização contra a Covid em dezembro.

No Brasil, que iniciou sua campanha de vacinação em janeiro, 34,2 milhões (21% dos adultos) tomaram a primeira dose, e 17,3 milhões (10,7% dos adultos) tomaram a segunda.

Desde maio de 2020, os Estados Unidos vetam a entrada de viajantes que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias. Há exceções para os portadores de green cards (residência permanente nos EUA), cônjuges, filhos e irmãos de americanos residentes no país e para estrangeiros que viajem a convite do governo americano, além de integrantes de tripulação aérea.

No fim de abril, o governo americano abriu exceções para autorizar a entrada de algumas categorias de estudantes e jornalistas brasileiros. A emissão regular de vistos na embaixada e nos consulados dos EUA no Brasil está suspensa desde o ano passado, sem previsão de retorno.