Mercado abrirá em 5 h 59 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,57
    +1,07 (+1,74%)
     
  • OURO

    1.753,00
    +24,20 (+1,40%)
     
  • BTC-USD

    45.939,66
    +1.025,73 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    917,29
    -15,85 (-1,70%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.392,08
    +411,87 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.067,50
    +156,50 (+1,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7612
    +0,0029 (+0,04%)
     

Vale e MG definem R$37 bi para acordo por Brumadinho, diz fonte

Marta Nogueira
·2 minuto de leitura
Imagem de evento que marcou os dois anos da tragédia envolvendo barragem da Vale

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um acordo entre Vale e o governo de Minas Gerais deverá envolver 37 bilhões de reais em reparações pelo rompimento de barragem da mineradora em Brumadinho, há cerca de dois anos, afirmou à Reuters uma fonte a par das negociações nesta quarta-feira.

Mais cedo, a mineradora e autoridades estaduais informaram que definiram nas últimas horas os termos financeiros para as medidas de reparação aos danos socioeconômicos e socioambientais causados pelo desastre, e que poderá ser assinado um Termo de Reparação em audiência na quinta-feira.

Logo em seguida, as ações saltaram cerca de 4% e operavam em alta de 3,8% por volta das 14h30.

Vale e autoridades não comentaram valores.

O novo encontro ocorrerá no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que vem mediando negociações entre a Vale, governo de Minas Gerais, ministérios públicos estadual e federal e Defensoria Pública de Minas Gerais.

O entendimento, que deverá encerrar processo judicial e visa dar celeridade às reparações, deverá envolver investimentos e ações com foco nas regiões atingidas e sua população.

"As Medidas de Reparação tratam dos danos coletivos à sociedade e ao Estado, sem interferir em ações sobre indenizações e danos individuais, assim como em ações criminais. Já a reparação socioambiental integral não possui teto financeiro", disseram as autoridades.

O rompimento de barragem em Brumadinho (MG) ocorreu em 25 de janeiro de 2019 e deixou cerca de 270 mortos, além de atingir instalações e refeitório da Vale na hora do almoço, áreas de floresta e a cidade.

Inicialmente, as autoridades de Minas Gerais haviam pedido à Justiça pagamento por parte da Vale de 54,6 bilhões de reais, envolvendo danos morais coletivos e sociais. O pedido foi negado e o TJMG vem, desde então, mediando as tentativas de acordo em audiências entre as partes.

Em janeiro, as negociações quase foram definitivamente encerradas, após um impasse.

As autoridades haviam aceitado reduzir o valor a ser pago pela Vale para 40 bilhões de reais, segundo a fonte, que falou na condição de anonimato. A Vale, por sua vez, ofereceu 29 bilhões de reais, disse a pessoa. No entanto, foi dado um novo prazo para a Vale apresentar nova proposta.

(Por Marta Nogueira)