Mercado fechará em 1 h 21 min
  • BOVESPA

    110.244,59
    -1.679,34 (-1,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.832,73
    -401,64 (-0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,61
    -1,37 (-1,71%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -26,50 (-1,46%)
     
  • BTC-USD

    17.089,44
    +82,42 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,69
    -7,52 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.010,67
    -61,03 (-1,50%)
     
  • DOW JONES

    34.028,98
    -400,90 (-1,16%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.861,25
    -149,00 (-1,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5284
    +0,0344 (+0,63%)
     

'Meu primeiro voto no Lula e no PT': o que pensam os empresários desiludidos com Bolsonaro

SÃO PAULO, SP, 30.10.2022 - ELEIÇÃO-LULA-COLETIVA-SP - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) faz pronunciamento ao lado de apoiadores após resultado das eleições 2022, no hotel Intercontinental, na região da avenida Paulista, neste domingo (30). (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 30.10.2022 - ELEIÇÃO-LULA-COLETIVA-SP - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) faz pronunciamento ao lado de apoiadores após resultado das eleições 2022, no hotel Intercontinental, na região da avenida Paulista, neste domingo (30). (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em uma das diversas charges que passaram a circular nas redes sociais neste domingo (30) após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência do Brasil, está uma tirinha em que um homem pergunta a uma mulher: "Quando você virou petista: com Lula ou com Dilma?". Ao que ela responde: "Com Bolsonaro."

A charge ilustra bem o que parte do empresariado brasileiro sentiu sob a gestão do atual presidente Jair Bolsonaro (PL): eleito como um defensor do discurso liberal, a favor das privatizações, do Estado mínimo, Bolsonaro fez com que, em sua gestão, a carga tributária brasileira atingisse 34% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021, o maior patamar em pelo menos 12 anos. As privatizações, por sua vez, empacaram, com exceção da Eletrobras.

Para piorar, a gestão errática da pandemia fez com que a retomada da economia no país demorasse mais tempo que o esperado. O descaso da gestão do atual presidente com a Amazônia e o avanço do desmatamento arranhou a imagem do Brasil no exterior, indo na contramão da cartilha de desenvolvimento ambiental, social e corporativo (ESG), que vem pautando as decisões empresariais em todo o mundo. Neste sentido, a eleição de Lula trouxe alívio aos empresários descontentes.

"O Lula fez um ótimo discurso, de acolhimento, de abertura, de reinserção do Brasil na agenda mundial, também do ponto de vista ambiental", disse à reportagem Fabio Barbosa, presidente da multinacional brasileira Natura&Co. "Mas a prioridade número 1 agora é detalhar o seu programa econômico, definir quais são os nomes da equipe econômica e como vai endereçar a questão fiscal", diz ele, ex-presidente do Santander Brasil e da Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

No primeiro turno, Barbosa havia votado na senadora Simone Tebet (MDB), que apoiou Lula no segundo turno. "O apoio da Simone foi decisivo, eu adorei [a participação dela]", disse.

Quem também havia escolhido Simone Tebet como presidente em 2 de outubro foi Roberto Klabin, acionista da fabricante de papel e celulose Klabin.

"Foi a primeira vez que eu votei em Lula e no PT", diz o empresário, fundador da SOS Mata Atlântica e da SOS Pantanal, organizações não governamentais ligadas à defesa ambiental. "Votei para garantir que o Brasil continue sendo uma democracia e consiga reverter a devastação do meio ambiente", diz ele, que em eleições anteriores apoiou o PSDB.

Na opinião de Klabin, foi importante Lula não ter vencido no primeiro turno. "Ele foi obrigado a se aproximar mais do centro, não ficou preso ao universo do PT", diz Klabin, que também elogia a atuação de Simone Tebet na campanha, assim como o acordo de Lula com a deputada federal eleita Marina Silva (Rede).

O petista se comprometeu a incorporar em seu programa de governo diretrizes elaboradas pela sua ex-ministra do Meio Ambiente.

PACIFICAÇÃO

Um alto executivo do setor de aviação civil, no entanto, destaca que a vitória de Lula sobre Bolsonaro foi a mais apertada em um segundo turno das eleições presidenciais: 51% contra 49% dos votos válidos. Na opinião dele, em primeiro lugar, é preciso garantir que a transição seja tranquila e que Lula governe para todos os brasileiros, procurando eliminar o que ele chamou de ânimos radicais exacerbados.

Caio Magri, presidente do Instituto Ethos, destaque que o segundo turno foi marcado pelo uso da máquina pública "como jamais se viu em uma eleição desde o fim da ditadura". "É preciso unir o Brasil em prol do combate incessante às desigualdades e pelo desenvolvimento sustentável", diz ele, que considera como prioridades do novo governo erradicar a fome e combater as desigualdades sociais.

"O Ethos vai trabalhar nesta direção, convidando as empresas para serem parceiras no processo. Haverá muito trabalho pela frente, mas estamos conscientes de nossas responsabilidades".

Com a proposta de fomentar os conceitos ESG nas empresas, o Ethos tem 454 associadas, entre elas Natura, Grupo Pão de Açúcar, Carrefour e Renner.

Na opinião de Betania Tanure, sócia da consultoria BTA Associados, que atende grandes empresas na área de comportamento organizacional e gestão executiva, é preciso vencer o desafio de unir um país polarizado, sob o risco de o Brasil não avançar do ponto de vista econômico, social e ambiental.

"É preciso celebrar a democracia, que permite a alternância de poder, conforme a vontade da maioria", diz Betania, que também é conselheira do Magazine Luiza. "Acredito que o empresariado está mais maduro e compreende a sua influência na sociedade. Os empresários que são realmente gestores não olham a sua empresa de maneira isolada."

A respeito das denúncias de assédio eleitoral de empresários sobre funcionários para voto em Bolsonaro, Betania diz que os casos não ilustram uma prática relevante no país. "É algo inadmissível, mas ainda assim são casos isolados, em empresas ou negócios de menor porte", afirma.

Na opinião da psicóloga, especialista em comportamento organizacional, é preciso levar em conta que as emoções decorrentes da pandemia ainda estão sob a flor da pele. "Estamos ainda vivendo um pós-guerra, que deve se curar com o tempo e fazendo o que precisa ser feito."