Mercado abrirá em 1 h 49 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,24
    -0,72 (-0,87%)
     
  • OURO

    1.779,40
    +8,90 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    63.995,47
    +1.815,36 (+2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.483,54
    +20,19 (+1,38%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.214,54
    -2,99 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.400,00
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5027
    +0,0065 (+0,10%)
     

Meteoros na atmosfera e aurora da Terra são registrados por satélite chinês

·2 minuto de leitura

O pequeno satélite Yangwang-1, da empresa chinesa Origin Space, foi lançado à órbita no início de junho deste ano. Através de seu campo de visão amplo e a capacidade de coletar a luz visível e ultravioleta, ele foi desenvolvido para detectar asteroides próximos à Terra, mas tem capturado muito mais do que isso, como meteoros cruzando a atmosfera terrestre e a aurora austral acima do Pacífico.

Em três meses de operação em órbita, o Yangwang-1 detectou e registrou uma série de meteoros atravessando a atmosfera da Terra. Mais do que isso, ele também observou outros objetos, como o módulo central da estação espacial chinesa, o Tiangong-3, cruzando seu campo de visão. As observações foram realizadas quando o satélite tentava rastrear partículas carregadas atingindo a atmosfera após uma intensa explosão solar no último dia 27 de agosto.

(Imagem: Reprodução/Origin Space)
(Imagem: Reprodução/Origin Space)

Embora seja operado pela Origin Space, o Yangwang-1 foi desenvolvido pela Shenzhen Aerospace Dongfanghong Satellite Co., uma espécie de braço da principal estatal fabricante de satélites da China, a Academia de Tecnologia Espacial da China (CAST, na sigla em inglês). Segundo a empresa operadora, o objetivo é criar um “mapa do tesouro” com recursos espaciais em potencial para estabelecer planos mais ambiciosos de utilização do espaço.

Além disso, a Origin Space lançou, em abril deste ano, o satélite NEO-1, desenvolvido para coletar e liberar um pequeno alvo, simulando a captura de pequenos asteroides. Na fase seguinte, prevista para 2022, a empresa lançará o NEO-2 para órbita geocêntrica que, gradualmente, aumentará até alcançar a Lua — a mesma lógica usada pela Índia na missão indiana Chandrayaan-2.

A seta no canto superior direito indica Vênus e, a de abaixo, aponta para o módulo central da estação chinesa (Imagem: Reprodução/Origin Space)
A seta no canto superior direito indica Vênus e, a de abaixo, aponta para o módulo central da estação chinesa (Imagem: Reprodução/Origin Space)

O principal objetivo da Origin Space é extrair recursos espaciais para utilização na Terra e, para isto, ela lançará, em 2025, a missão NEO-X, a qual tentará capturar asteroides próximos utilizando uma rede.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos