Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.899,51
    -204,49 (-1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Meteoro que passou na Espanha pode ter a idade do Sistema Solar

O meteoro passou no dia 31 de julho (Getty Image)
O meteoro passou no dia 31 de julho (Getty Image)
  • Meteoro foi visto no céu da Espanha

  • Ele pode ser um fragmento do cometa 169P/NEAT

  • O elemento teria sido formado junto do Sistema Solar

No último dia de julho, um meteoro brilhante atravessou o céu de Madri, na Espanha. Cientistas acreditam que ele pode ser um fragmento do cometa 169P/NEAT, formado em conjunto com o Sistema Solar, há cerca de 4,6 bilhões de anos.

Um comunicado divulgado pela Agência Espacial Europeia (ESA) diz que o meteoro foi um “aviso de advertência”, uma vez que cometas grandes e congeladas, quando passam perto do Sol, liberam pequenos fragmentos. A expectativa é que a situação que pode ser intensificada no futuro. Isso porque ele criou um campo de detritos quando começou a se desintegrar há milhares de anos.

O calor solar faz com que corpos gelados passem do estado sólido para o gasoso. Durante o processo, é jogado no espaço m fluxo de material antigo. Quando a Terra atravessa essas nuvens de material, os detritos presentes colidem com a atmosfera e são queimados, formando chuvas de meteoros brilhantes.

Em algumas vezes, as rochas deixam um rastro de detritos enquanto viajam pelo espaço. Já no caso dos cometas, isso acontece conforme eles se aproximam do Sol.

A Rede de Meteoros do Sudoeste da Europa (SWEMN) calculou a trajetória da bola de fogo e concluiu que o fragmento entrou na atmosfera da Terra a 100 km de altitude sobre Madrid, queimando a 77 km sobre a província de Guadalajara.

Com as informações apuradas, os pesquisadores acreditam que o cometa propriamente dito foi formado junto do Sistema Solar, no passado, há cerca de 4,6 bilhões de anos.