Mercado fechará em 14 mins
  • BOVESPA

    111.719,90
    +2.937,75 (+2,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.418,15
    -663,18 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,32
    +1,08 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.763,80
    +8,50 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.376,28
    +187,48 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,84
    -1,88 (-0,48%)
     
  • S&P500

    3.950,92
    -13,02 (-0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.816,17
    -33,29 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.489,25
    -127,00 (-1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4660
    -0,0832 (-1,50%)
     

Meteoritos podem ter levado água e moléculas orgânicas a Marte

Os meteoritos que atingiram Marte no passado, durante o início da evolução do Sistema Solar interno, podem ter levado água suficiente para criar um oceano com 300 m de profundidade no Planeta Vermelho. A conclusão é de um estudo conduzido por Martin Bizzarro, da Universidade de Copenhague, e outros pesqusiadores, em que eles analisaram a concentração de um isótopo em amostras de meteoritos marcianos.

Para determinar a quantidade de água depositada no planeta levada com a ajuda de asteroides, eles trabalharam com o cromo-54, um isótopo raro encontrado em meteoritos vindos de Marte. A camada superior do planeta contém assinaturas de meteoritos carbonáceos (tipo C), preservada graças à ausência de placas tectônicas por lá.

É possível que meteritos tenham levado água suficiente para formar um grande oceano em Marte (Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser/N. Risinger)
É possível que meteritos tenham levado água suficiente para formar um grande oceano em Marte (Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser/N. Risinger)

Por outro lado, estas características também poderiam estar preservadas em rochas do manto, abaixo da camada superficial do planeta. “É um pouco como o DNA: os asteroides do tipo carbonáceo têm uma composição com isótopo de cromo muito distinta, em relação ao Sistema Solar interno”, explicou Bizzarro.

Assim, ao analisar a diferença da quantidade de isótopos nas amostras de meteoritos vindos do manto ou da superfície de Marte, eles estimaram a massa total dos asteroides que colidiram com o planeta. A equipe concluiu que, se aquelas rochas tivessem somente 10% de água em sua composição (o menor limite possível para meteoritos do tipo carbonáceo), eles teriam levado água suficiente para criar um oceano global. Caso os impactos ocorressem em todo o planeta, o oceano formado pela água deles poderia chegar a 300 m de profundidade.

Outro aspecto importante é que os asteroides carbonáceos contêm elementos essenciais para a vida, ou seja, poderiam ter levado moléculas orgânicas e água a Marte antes mesmo de a Lua se formar. Para os autores, os resultados permitem dizer com certeza que asteroides ricos em água atingiram a superfície do planeta, e consideram ter encontrado evidências importantes da presença de meteoritos do tipo C no manto de Marte.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Science Advances.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: