Mercado fechará em 2 mins
  • BOVESPA

    109.865,92
    +2.487,00 (+2,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.860,97
    +593,77 (+1,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,94
    +1,88 (+4,37%)
     
  • OURO

    1.804,40
    -33,40 (-1,82%)
     
  • BTC-USD

    19.158,27
    +706,31 (+3,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,80
    +10,04 (+2,72%)
     
  • S&P500

    3.633,82
    +56,23 (+1,57%)
     
  • DOW JONES

    30.023,52
    +432,25 (+1,46%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.074,00
    +168,75 (+1,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3927
    -0,0476 (-0,74%)
     

Meteorito que caiu em MG veio de Vesta, um dos maiores asteroides conhecidos

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

Em maio, moradores de Minas Gerais acordaram assustados com a explosão de um meteoro. De acordo com a BRAMON (Rede Brasileira de Observação de Meteoros), um dos pedaços da rocha que resistiram à queima na atmosfera possivelmente caiu na cidade de Tiros, também em Minas Gerais. Um dos fragmentos foi encontrado por um fazendeiro e, agora, nosso país tem um novo meteorito.

O meteoro pôde ser observado em cidades de Minas Gerais e São Paulo, e causou um barulho tão forte quando explodiu que houve quem pensou que se tratava da queda de um avião — na verdade, o som era justamente a fragmentação do meteoro que, devido à emissão luminosa seguida da explosão, é chamado de bólido. A BRAMON calculou a trajetória que a rocha seguiu pela atmosfera, e concluiu que os meteoritos deveriam ter caído em uma área que chegava a quase 90 km de extensão entre os municípios Tiros e Morada Nova de Minas, ambos em Minas Gerais.

As chances de encontrá-los eram remotas, mas não nulas: um fragmento com cerca de 400g caiu à beira da trilha de uma fazenda na zona rural de Tiros. A rocha foi vista pelo fazendeiro Sr. Titota, que cavalgava pela trilha e reparou que havia uma rocha de cor escura e brilho vítreo. Ao pegá-la para observar melhor, ele notou que havia algo incomum ali; a história se espalhou rapidamente e Teresinha Souza, do grupo Mulheres de Estrelas, associou o fragmento ao bólido ocorrido em maio, porque a rocha estava em um local muito perto do final da trajetória que foi calculada pela BRAMON.

Análises feitas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) mostraram que o meteorito de Tiros é um condrito do tipo eucrito, ou seja, um meteorito rochoso que veio das profundezas da crosta de um dos maiores asteroides do Sistema Solar, e possivelmente foi lançado devido a um grande impacto no polo sul do asteroide. O eucrito é o tipo mais comum dos condritos, as rochas que passaram pela fusão e recristalização. Eles são bastante parecidos com basaltos e, por serem ricos em cálcio, têm cor mais clara.

O asteroide em questão é o Vesta, que sofreu um impacto gigantesco há cerca de 1 bilhão de anos que abriu uma cratera com mais de 500 km de diâmetro sua superfície, e lançou trilhões de toneladas de rochas no espaço. Essas rochas formam a família Vesta de asteroides, que representam cerca de 6% dos meteoritos que caem em nosso planeta — e, entre eles, está o meteorito que viajou por um bilhão de anos e nos visitou em maio.

O asteroide Vesta (Imagem: Reprodução/NASA)
O asteroide Vesta (Imagem: Reprodução/NASA)

Claro que, após a divulgação das primeiras imagens do meteorito encontrado em Tiros, diversos pesquisadores, caçadores de meteoritos e astrônomos amadores visitaram a cidade em busca de outras rochas. Entretanto, será difícil encontrá-las: além de não terem muita massa, a área é extensa, tem relevo acidentado e muita cobertura vegetal. Mesmo assim, as buscas continuam, já que pode haver outro meteorito à beira de uma estrada ou trilha.

O meteorito de Tiros ainda não foi classificado e registrado oficialmente. Pra isso, será preciso um depósito de ao menos 20g em uma instituição como o Museu Nacional. Mesmo assim, esse fragmento tem material de um asteroide que está a centenas de milhões de quilômetros do nosso planeta, e estudá-lo é importante para compreendermos melhor tanto o asteroide Vesta quanto o Sistema Solar e o universo à nossa volta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: