Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.333,08
    -44,13 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5311
    +0,0194 (+0,35%)
     

Meteorito marciano levanta questões sobre a formação planetária

Ao estudar a origem um isótopo em amostras de um antigo meteorito do interior de Marte, uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia se deparou com resultados que contradizem o conhecimento atual sobre como planetas rochosos conseguem elementos voláteis, como o hidrogênio e carbono, durante sua formação. Como o Planeta Vermelho se formou antes da Terra, estudar a composição deste nosso vizinho é uma forma de conhecer melhor o início da formação planetária.

Quando o assunto é a formação planetária, os cientistas consideram que os planetas coletam compostos voláteis da nuvem de gás e poeira que os originou, ao redor de uma estrela jovem. Nesta etapa, o planeta ainda é uma grande esfera de rocha derretida, e os elementos são dissolvidos no oceano de magma; depois, eles vão para a atmosfera. Os compostos voláteis também podem ir ao planeta pela ação de meteoritos.

Representação do Sistema Solar em formação (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Representação do Sistema Solar em formação (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

De forma geral, os cientistas consideram que estes elementos no interior do planeta devem refletir a composição da nebulosa solar (a nuvem de gás e poeira) que os formou, ou uma mistura dos elementos da nuvem e dos meteoritos — neste caso, os voláteis da atmosfera devem vir, principalmente, das rochas espaciais. No estudo, os autores mediram a quantidade dos isótopos de criptônio em amostras do meteorito Chassigny.

A rocha veio de Marte e caiu na França em 1815, e os autores tentaram deduzir a origem dos isótopos na rocha por meio da quantidade deles. “Devido à baixa abundância, é desafiador medir os isótopos de criptônio”, observou Sandrine Péron, autora do estudo. Para a surpresa da equipe, os isótopos correspondem àqueles vindos não da nebulosa solar, mas sim dos meteoritos.

Isso sugere que as rochas espaciais estavam levando elementos voláteis a Marte enquanto estava em formação muito antes que se pensava, e que isso aconteceu na presença da nebulosa. “A composição do interior marciano, para o criptônio, é quase puramente condrítica, mas a atmosfera é solar”, disse. Além disso, os resultados mostram que a atmosfera de Marte não tem isótopos meteoríticos, ou seja, não pode ter sido formada somente pelos gases do manto do planeta.

Fragmento do meteorito de Chassigny (Imagem: Reprodução/Ron Baalke)
Fragmento do meteorito de Chassigny (Imagem: Reprodução/Ron Baalke)

Portanto, a atmosfera marciana deve ter sido formada pela nebulosa solar após o resfriamento do oceano de magma, evitando a mistura dos gases internos vindos dos meteoritos e os atmosféricos, vindos da nuvem. Neste caso, o crescimento de Marte teria sido finalizado antes de a luz do Sol dissipar a nebulosa solar.

O problema é que ela também deveria ter destruído a atmosfera marciana, de modo que os autores sugerem que algum processo deve ter ajudado a preservar o criptônio — por exemplo, o elemento pode ter ficado preso na subsuperfície marciana. Isso iria exigir que Marte estivesse frio logo após ter sido formado, trazendo novas perguntas sobre a origem e a composição da atmosfera primordial do planeta.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Science.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos