Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,18
    -0,46 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.725,80
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    49.269,20
    +4.013,34 (+8,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    986,04
    +57,81 (+6,23%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.588,53
    +105,10 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    29.452,57
    +472,36 (+1,63%)
     
  • NIKKEI

    29.836,27
    +172,77 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    13.320,00
    +40,25 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7928
    -0,0028 (-0,04%)
     

Metalúrgicos de Taubaté rejeitam proposta de indenização da Ford para fechar fábrica

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - Trabalhadores da fábrica de motores e câmbios da Ford em Taubaté (SP) rejeitaram nesta quarta-feira oferta da montadora de indenização por conta da decisão de encerrar a produção no país, anunciada no mês passado.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região, a indenização oferecida pela montadora norte-americana era de 1,1 salário por ano trabalhado para os funcionários horistas. Para os mensalistas, o valor seria de 0,7 salário por ano trabalhado.

"É como se a indenização fosse apenas a antecipação dos valores dos meses de fevereiro a dezembro. Mas o que os trabalhadores buscam neste momento não é uma indenização, mas sim a reversão da decisão da montadora", disse o representante sindical na Ford, Sidivaldo Borges, em comunicado à imprensa.

Para a entidade, os valores estão abaixo do que os funcionários receberiam até o fim deste ano, entre salários e benefícios. "O cálculo leva em conta que os trabalhadores e trabalhadoras na Ford têm estabilidade no emprego até 31 de dezembro", afirmou o sindicato.

A decisão na assembleia, segundo o sindicato foi unânime. Borges afirmou que os trabalhadores fizeram um pedido para revisão na decisão de fechar as fábricas no país. "Estamos aguardando um posicionamento da fábrica, para discutir com o presidente global da Ford. Porque ainda temos esperança de que possa ser revertido", disse o sindicalista.

Nesta semana, a Ford anunciou o maior investimento já realizado pela empresa em quase um século na África do Sul, de mais de 1 bilhão de dólares. Os recursos incluem recursos para ampliação de capacidade instalada de 168 mil para 200 mil veículos.

(Por Alberto Alerigi Jr.)