Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,13
    +0,56 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.824,00
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    20.746,54
    -316,96 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,80
    -6,00 (-1,30%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.067,00
    +26,50 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0160 (-0,29%)
     

Meta simplifica políticas de privacidade para facilitar a compreensão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Meta, empresa proprietária do Facebook e do Instagram, anunciou uma mudança na estrutura da política de privacidade das suas plataformas para facilitar a compreensão do conteúdo pelos usuários. Com a mudança, os usuários encontrarão vídeos, subtítulos e imagens, além de frases mais curtas e mais exemplos em vez de longos blocos de texto.

De acordo com a empresa, a nova política trará maior transparência em relação aos tipos de informação que a Meta coleta e como os dados são usados pelos apps da empresa e compartilhados com os parceiros. As mudanças entrarão em vigor no dia 26 de julho, e os usuáriosreceberão uma notificação. A empresa também disse que um aviso sobre as alterações na política será exibido na parte superior do Feed de Notícias do Facebook.

Segundo a Meta, as atualizações valem apenas para as políticas de privacidade do Facebook, do Instagram e do Messenger. Outros aplicativos de propriedade da empresa, como WhatsApp, Workplace e Messenger Kids, permanecerão com suas próprias regras.

Com as atualizações, o Facebook tenta aparentemente tornar o processo da coleta de dados dos usuários mais transparente. Isso não significa, no entanto, que a plataforma vai aumentar ou reduzir a quantidade de informações coletadas, fundamentais para as receitas da companhia com anúncios direcionados.

“As atualizações que estamos anunciando hoje são inspiradas pelo feedback de especialistas em privacidade, legisladores e usuários dos nossos serviços. Nosso objetivo é atualizar nossa Política de Privacidade com mais frequência à medida que continuamos aprendendo quais áreas podemos melhorar”, disse a Meta.

Meta simplifica a política de privacidade do Instagram, Facebook e do Messenger (Imagem: Reprodução/Rawpixel)
Meta simplifica a política de privacidade do Instagram, Facebook e do Messenger (Imagem: Reprodução/Rawpixel)

Novas ferramentas de privacidade

Em conjunto com a nova política de privacidade, a Meta também anunciou novas formas para facilitar o controle sobre quem pode acompanhar uma publicação no Facebook.

As postagens podem ser configuradas de forma que sejam públicas, para amigos ou o próprio usuário. Portanto, caso o usuário defina sua postagem como pública, a próxima postagem será, por padrão, pública, a menos que a configuração seja alterada.

Além disso, a plataforma também permitirá que os membros usem um único controle para definir seus tópicos ou interesses de anúncios no Facebook e no Instagram.

Problemas com privacidade

O Facebook tem enfrentado vários escândalos de privacidade que têm levantado preocupações em relação à forma como a empresa tem agido para garantir a proteção dos dados das pessoas.

Na semana passada, o Procurador Geral de Washington, nos Estados Unidos, Karl Racine, processou o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, devido a um escândalo de dados ocorrido em 2018, no qual a empresa de consultoria política Cambridge Analytica coletou dados de aproximadamente 87 milhões de usuários do Facebook sem consentimento. A Meta não se pronunciou sobre o assunto.

A Cambridge Analytica foi contratada para as campanhas de Trump, Ted Cruz e Ben Carson — todos do Partido Republicano -— em 2016. A empresa foi fundada em 2013 pelo ex-coordenador da Renaissance Technologies, Robert Mercer, um dos principais apoiadores de Trump em 2016.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos