Mercado fechará em 33 mins
  • BOVESPA

    130.092,99
    -114,97 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.864,87
    -164,67 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,26
    +1,38 (+1,95%)
     
  • OURO

    1.859,40
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    40.271,19
    +752,15 (+1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,34
    -8,26 (-0,82%)
     
  • S&P500

    4.247,98
    -7,17 (-0,17%)
     
  • DOW JONES

    34.312,19
    -81,56 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.033,75
    -91,00 (-0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1129
    -0,0186 (-0,30%)
     

A meta dos 10 mil passos por dia é mesmo necessária? Segundo novo estudo, não

·2 minuto de leitura

Se você pertencer ao grupo de pessoas que possuem smartwatch e costumam fazer caminhada, possivelmente já ouviu falar da importância de dar 10 mil passos por dia. Trata-se de uma meta muito comum nesses relógios, tal como aplicativos de saúde e bem estar. No entanto, I-Min Lee, epidemiologista da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, fez uma pesquisa para entender se essa meta é realmente necessária.

O epidemiologista conta que essa meta ficou popular em 1965, quando uma empresa japonesa chamada Yamasa Clock criou um pedômetro (medidor de passos por sistema pendular) fitness chamado Manpo-kei, que significa “medidor de 10 mil passos”. Segundo o médico, também é um objetivo fácil de lembrar, o que acabou ajudando a popularizar essa ideia.

Em contrapartida, o médico conta que o pedômetro não foi baseado em nenhuma evidência científica. Mesmo hoje, poucos estudos examinaram a conexão entre esses 10 mil passos e a saúde geral. Com isso em mente, ele decidiu fazer sua própria pesquisa, que o levou a descobrir que, em mulheres mais velhas, metade desse número de passos — 4.400 — ainda reduzia o risco de morte, e que cerca de 7.500 já traziam benefícios. "Ainda há mais trabalho a fazer com diferentes faixas etárias, mas é seguro dizer que 10 mil não é um número mágico", escreve o epidemiologista.

Epidemiologista de Harvard contesta "senso comum" de dar 10 mil passos por dia (Imagem: Jenny Hill/Unsplash)
Epidemiologista de Harvard contesta "senso comum" de dar 10 mil passos por dia (Imagem: Jenny Hill/Unsplash)

O estudo envolveu os dados de 17.466 mulheres que concordaram em participar usando um pedômetro por sete dias. "As tecnologias wearable que podem rastrear o comportamento da atividade física de uma pessoa são itens de consumo populares com mais de 125 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, medindo o número de passos. Em todo o mundo, o número médio de passos acumulados diariamente (medido por smartphones) é de aproximadamente 5 mil. Uma meta comum de 10 mil passos foi perpetuada pela imprensa leiga e é frequentemente usada como padrão por programas de software em wearables e smartphones", afirma o estudo.

"As informações sobre quantos passos diários são necessários para a saúde são limitadas, principalmente no que se refere aos desfechos clínicos e mortalidade. Além disso, os passos dados podem ser lentos ou rápidos, e não se sabe como a intensidade do passo está associada à saúde", a pesquisa ainda aponta. "Essas descobertas podem servir de incentivo para os muitos indivíduos sedentários para os quais 10 mil passos por dia representam uma meta inatingível", conclui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: