Mercado fechará em 4 h 31 min
  • BOVESPA

    109.922,03
    -266,54 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,10
    -0,15 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.789,90
    +7,50 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    16.856,75
    -164,39 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,78
    -6,03 (-1,50%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.518,67
    -2,72 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.515,50
    -50,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4941
    +0,0154 (+0,28%)
     

Meta, dona do Facebook, planeja iniciar milhares de demissões nesta semana, diz jornal

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - A Meta, dona do Facebook, está planejando iniciar demissões em larga escala nesta semana, segundo noticiou o Wall Street Journal, citando fontes com conhecimento do assunto. A rodada de cortes pode ser a maior da recente onda de demissões em empresas de tecnologia, que passam por dificuldades após um rápido crescimento durante a pandemia.

Segundo o WSJ, as demissões afetariam milhares de funcionários, e um anúncio está planejado para ocorrer na quarta-feira. A Meta relatou ter mais de 87 mil funcionários no final de setembro. Funcionários da empresa já teriam sido instruídos a cancelar viagens não essenciais desta semana.

As demissões planejadas seriam as primeiras grandes reduções de força a ocorrer nos 18 anos de história da empresa. Embora menor em termos percentuais do que os cortes no Twitter, que ocorreram na semana passada e atingiram cerca de metade da equipe da empresa, o número de funcionários da Meta que devem perder seus empregos pode ser o maior até hoje em uma grande corporação de tecnologia em um ano, diz o jornal.

Um porta-voz da Meta se recusou a falar com o WSJ, referindo-se à recente declaração do presidente-executivo Mark Zuckerberg de que a empresa "focaria nossos investimentos em um pequeno número de áreas de crescimento de alta prioridade".

Na ocasião, Zuckerberg afirmou que a maioria das equipes da empresa permaneceria estável ou encolheria.

O Wall Street Journal informou em setembro que a Meta planejava cortar despesas em pelo menos 10% nos próximos meses, em parte por meio de reduções de pessoal.