Mercado fechará em 1 h 54 min
  • BOVESPA

    112.164,75
    -151,41 (-0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.453,61
    -321,30 (-0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,45
    -1,23 (-1,54%)
     
  • OURO

    1.922,70
    -6,70 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    23.184,59
    -409,18 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,43
    -13,44 (-2,50%)
     
  • S&P500

    4.044,62
    -25,94 (-0,64%)
     
  • DOW JONES

    33.919,97
    -58,11 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.784,87
    +19,72 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    22.069,73
    -619,17 (-2,73%)
     
  • NIKKEI

    27.433,40
    +50,84 (+0,19%)
     
  • NASDAQ

    12.029,25
    -193,00 (-1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5434
    -0,0028 (-0,05%)
     

Meta diz que removerá notícias do Facebook se Lei de Mídia dos EUA for aprovada

Executivo da Meta alega que o Facebook poderia “ser forçado a considerar remover as notícias” caso a lei seja aprovada (Getty Creative)
Executivo da Meta alega que o Facebook poderia “ser forçado a considerar remover as notícias” caso a lei seja aprovada (Getty Creative)
  • Meta ameaçou não publicar mais notícias no Facebook caso lei de mídia americana seja aprovada;

  • Nova lei tem como objetivo permitir que os veículos de comunicação sejam remunerados pelo conteúdo produzido por elas e distribuído em rede sociais;

  • Grupo que reúne os principais veículos de comunicação dos EUA, definiu a atitude do Facebook como antidemocrática.

A Meta, controladora do Facebook, anunciou, em tom de ameaça, que não publicará mais notícias na plataforma caso o Congresso dos Estados Unidos aprove uma nova lei de mídia que tem como objetivo permitir que os veículos de comunicação sejam remunerados pelo conteúdo produzido por elas e distribuído em rede sociais. As informações são do portal Olhar Digital.

De acordo com a publicação, o chefe de comunicações de políticas da Meta, Andy Stone, publicou em seu Twitter que o Facebook poderia “ser forçado a considerar remover as notícias” caso a lei seja aprovada e que a proposta não consegue reconhecer que criadores de conteúdo e as emissoras colocam seu conteúdo no Facebook “porque beneficia seus resultados – e não ao contrário”.

Uma reportagem do jornal O Globo lembra que, "no ano passado, após entrar em vigor uma lei australiana prevendo pagamento às empresas de comunicação pelo conteúdo distribuído nas redes sociais, a Meta chegou a suspender a veiculação de notícias em suas plataformas no país, mas depois voltou atrás".

A News Media Alliance, grupo que reúne os principais veículos de comunicação dos EUA, definiu a atitude do Facebook como antidemocrática e, em comunicado, afirmou que "essas ameaças foram usadas antes de a Austrália aprovar lei similar para compensar os veículos de notícias, e não tiveram êxito, porque no fim as empresas de comunicação receberam seus pagamentos".

Conteúdo político

Desde o ano passado, a Meta vem tomando algumas medidas para diminuir a distribuição de conteúdo político no Facebook. Com esse objetivo, a companhia anunciou em maio mais uma alteração no algoritmo do feed de notícias.

A medida reduz o peso de comentários e compartilhamentos para distribuição de conteúdo político no ranqueamento do algoritmo. Os usuários que testaram a plataforma com essa intervenção relataram que “viram menos conteúdos em seus feeds que não consideravam valiosos”.

O movimento para diminuir a quantidade de postagens com conteúdo político começou em fevereiro de 2021. Na ocasião, o CEO Mark Zuckerberg, ressaltou que “as pessoas não querem que conteúdo político prevaleça em seus feeds de notícias”.