Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,41
    +0,86 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.817,40
    +57,50 (+3,27%)
     
  • BTC-USD

    16.961,67
    -132,55 (-0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.036,50
    -5,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4646
    +0,0681 (+1,26%)
     

Mester, do Fed, comemora dados de inflação, mas diz que grandes riscos permanecem

Por Michael S. Derby

(Reuters) - A presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, disse nesta quinta-feira que, embora haja alguns novos sinais esperançosos de moderação do avanço dos preços, o principal risco ainda enfrentado pelo banco central dos Estados Unidos é que a instituição não aja de forma agressiva o suficiente para domar pressões de preços muito altas.

“Dado o atual nível de inflação, sua natureza ampla e sua persistência, acredito que a política monetária precisará se tornar mais restritiva e permanecer restritiva por um tempo para colocar a inflação em uma trajetória descendente sustentável para 2%”, afirmou Mester em discurso em texto.

A formuladora de política monetária, que tem um papel de voto no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), responsável por definir a taxa básica de juros, não disse o tamanho do aumento que ela gostaria que o Fed fizesse em sua reunião de política monetária de dezembro. Ela também não tem certeza de até onde o banco central precisa ir para elevar os custos dos empréstimos, dizendo que isso depende do que acontece com a inflação, que continua alta.

Mester disse que o Fed enfrenta um "trade-off" desafiador entre subir muito ou pouco a taxa básica. Mas, para ela, “apesar dos movimentos que fizemos até agora, dado que a inflação tem se mostrado consistentemente mais persistente do que o esperado e há custos significativos de inflação alta contínua, atualmente vejo os maiores riscos como provenientes de um aperto monetário muito pequeno”.

Mester falou após a divulgação de dados que mostraram uma moderação maior do que o esperado nos preços ao consumidor em outubro. O relatório levou muitos analistas a especular que as tendências da inflação finalmente começam a moderar. Autoridades do Fed que falaram nesta quinta-feira disseram que mais ajustes de juros estavam nos planos, mas, como outros formuladores de política monetária nos últimos dias, eles disseram que é possível que o Fed consiga reduzir os juros mais lentamente nos próximos meses.

Mester afirmou que as notícias são boas nos dados de inflação, mas é apenas o começo do que é necessário.

“O relatório de preços ao consumidor de outubro desta manhã também sugere alguma flexibilização na inflação geral e no núcleo”, disse. Ela acrescentou que “continuam a haver alguns riscos de alta para a previsão de inflação”. Mester afirmou que espera ver uma desaceleração “significativa” nas pressões de preços no próximo ano e depois e um retorno à meta de inflação de 2% até 2025.

Mester reiterou que a volatilidade do mercado e a dor econômica mais ampla podem surgir como resultado dos esforços do Fed para reduzir a inflação. Ela também disse que é possível que o crescimento também se torne negativo.