Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.675,02
    -1.630,20 (-4,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Mesmo com venda recorde, cai oferta de unidades no setor imobiliário

·3 minuto de leitura

Ainda que haja uma forte demanda, com venda recorde, o setor imobiliário passa por uma queda na oferta de imóveis. O número menor de novos lançamentos reflete a recente alta nos custos da construção, avalia a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Na comparação com o primeiro trimestre de 2020, houve uma alta de 27,1% nas vendas de imóveis nos três primeiros meses deste ano no país, revela o estudo Indicadores Imobiliários Nacionais, da CBIC. Ao todo, foram 207.946 unidades vendidas em 12 meses, maior número já registrado.

Por outro lado, a oferta final de imóveis – que contabiliza todos os imóveis disponíveis para venda, seja na planta, em construção ou prontos – caiu 14,8% na mesma comparação ano a ano. No período de 12 meses encerrados em março, foram lançadas 168.673 novas unidades no país.

O levantamento do CBIC, divulgado trimestralmente, é feito com dados coletados em 150 municípios, sendo 20 capitais.

Alto custo

O inusitado efeito “boca de jacaré”, com a curva de demanda apontando para cima enquanto a de oferta vai para baixo, se deve à inflação recorde nos materiais de construção, sobretudo de insumos como o aço, disse o presidente da CBIC, José Carlos Martins. “As empresas estão muito ressabiadas”, afirmou.

Na sondagem feita periodicamente, 57,1% dos empresários disseram que a maior dificuldade atual do setor imobiliário é a falta de insumos e o aumento nos preços. Esse é o maior índice de toda série histórica dos Indicadores Imobiliários Nacionais da CBIC, iniciada no primeiro trimestre de 2015.

Em abril, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), apresentou alta acumulada de 12,9% em 12 meses encerrados em março. O custo com materiais e equipamentos subiu 29,9% em um ano, maior taxa desde o início do Plano Real.

Casa Verde e Amarela

Para o vice-presidente da Área de Indústria Imobiliária da CBIC, Celso Petrucci, um dos principais efeitos da alta nos custos da construção é a redução de lançamentos de habitações de interesse social, cujo financiamento é ligado ao programa Casa Verde e Amarela, do governo federal.

“A gente percebe que está havendo uma migração [das empresas] para outros mercados”, disse Petrucci ao apresentar os dados da CBIC. O setor prefere investir na construção de imóveis mais caros, nos quais os custos podem ser mais facilmente repassados, destacou ele.

Isso porque os custos dos materiais de construção são o principal fator a afetar os preços dos imóveis do Casa Verde Amarela, o que pressiona as margens de lucro nas vendas, uma vez que os preços das unidades no programa possuem um teto. “Então, se tiver um aumento de materiais que é significativo os empresários começam a pensar mais, a recuar um pouco”, explicou Petrucci.

O presidente da CBIC, José Carlos Martins, defendeu que o governo “use a caneta” para reduzir taxas de importação e derrubar barreiras técnicas para promover um “choque de oferta” nos preços de materiais de construção.

No estudo dos Indicadores Imobiliários, a CBIC indicou ainda que a queda nos novos empreendimentos vem se refletindo na geração de empregos pela construção civil. Em janeiro, o setor gerou 44.075 postos com carteira assinada, número que caiu para 25.020 em março, segundo dados da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia.

* Matéria alterada às 14h23 para acréscimo de informações.