Mercado fechará em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    121.451,46
    -2.125,10 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.080,40
    -553,51 (-1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,43
    -2,13 (-3,02%)
     
  • OURO

    1.813,60
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.395,05
    +1.185,43 (+3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,75
    +46,98 (+5,07%)
     
  • S&P500

    4.404,97
    -18,18 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    34.803,95
    -312,45 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.052,75
    +6,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1949
    +0,0294 (+0,48%)
     

Mesmo com risco de fechar, Madero planeja fazer IPO

·1 minuto de leitura
Madero já teria contratado quatro bancos para auxiliar o grupo a entrar na Bolsa
Madero já teria contratado quatro bancos para auxiliar o grupo a entrar na Bolsa

Após anunciar que pode encerrar suas atividades em breve, o Grupo Madero segue com seus planos de fazer uma oferta inicial de ações (IPO) até o fim deste ano e já teria até contratado quatro bancos para viabilizar a operação, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Demonstrações financeiras publicadas ontem (24) apontam que é possível não haver caixa suficiente para pagar o total das obrigações de dívida de curto prazo, antes ou na data de vencimento, sem financiamento adicional. Auditorias realizadas indicam “incerteza relevante e significativa” relacionada com a continuidade da operação.

Leia também:

Bank of America, BTG, Itaú e UBS estariam trabalhando para viabilizar a chegada do Madero à Bolsa paulista, mas não responderam aos contatos feitos pela reportagem do jornal.

Os sonhos do Madero de entrar na Bolsa de Valores não são de hoje. Em 2019, vendeu 22% de seu capital para o fundo americano Carlyle por R$ 700 milhões. Em 2020, precisou adiar os planos de IPO por conta da pandemia, que ocasionou uma queda abrupta em suas receitas.

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro, Junior Durski, o dono do Madero, minimizou a pandemia por mais de uma vez, o que gerou o desconforto do seu público consumidor e até de alguns sócios, como o apresentador Luciano Huck, que deixou o negócio logo em seguida às declarações e por um valor simbólico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos