Mercado abrirá em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,92
    +0,49 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.784,20
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    48.685,12
    -5.504,56 (-10,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.106,59
    -136,47 (-10,98%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.930,92
    -7,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.078,75
    +323,41 (+1,12%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.776,00
    +25,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Mesmo com novo auxílio emergencial, FecomercioSP prevê recuo nas vendas de abril

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apesar da chegada do novo auxílio emergencial, a FecomercioSP projeta uma queda de 3% no faturamento do varejo paulista em abril, por causa da manutenção das medidas de restrição à circulação no estado. A retração acontece sobre uma base baixa, em relação a abril do ano passado, quando o país já enfrentava a quarentena, e o setor registrou queda de 23% na receita, segundo a entidade. A FecomercioSP afirma que o recuo seria de 6% caso não houvesse a renovação do auxílio emergencial. A previsão aponta uma queda de 43% para as atividades consideradas não essenciais. A maior perda deve acontecer no setor de vestuário, com recuo de 68%, seguido por concessionárias de veículos (-56%). Por outro lado, o comércio essencial deve ter alta de 4%, na projeção da entidade.