Mercado abrirá em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,80
    -0,51 (-0,96%)
     
  • OURO

    1.869,30
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    32.897,23
    -604,86 (-1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    652,66
    -47,95 (-6,84%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.748,40
    +8,01 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.340,75
    +46,50 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4129
    +0,0049 (+0,08%)
     

Mesmo com alto índice de desaprovação ao governo, Bolsonaro lidera pesquisa para eleição em 2022

Ana Paula Ramos
·2 minuto de leitura
Pesquisa mostra que presidente Jair Bolsonaro é o favorito para as eleições em 2022 (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Pesquisa mostra que presidente Jair Bolsonaro é o favorito para as eleições em 2022 (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, encomendado pela revista Veja, mostra que o presidente Jair Bolsonaro lidera todos os cenários de primeiro turno - com percentuais que vão de 27,5% a 30,7% - e derrotaria os seis potenciais adversários em um segundo turno da eleição presidencial em 2022.

A pesquisa, realizada de 18 a 21 de julho, levou em conta cenários com os seguintes adversários de Bolsonaro: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), o ex-ministro Sergio Moro, o governador paulista, João Doria (PSDB) e o apresentador Luciano Huck.

Leia também

O que chamou a atenção é que 48,1% dos brasileiros desaprovam sua gestão, segundo o mesmo levantamento. Esse percentual era de 51,7% no fim de abril. Além disso, 38% consideram ruim ou péssimo o seu trabalho (eram 39,4% em abril). Já a aprovação passou de 44% para 47,1%, enquanto a parcela de entrevistados que considera seu governo como ótimo ou bom subiu de 31,8% para 34,3%.

Na visão de analistas, Bolsonaro teve um ganho político com o auxílio emergencial, que amenizou os efeitos econômicos da pandemia na população mais pobre. Outro motivo apontado é que o presidente adotou nos últimos dias uma atitude mais “comedida”, após a prisão de seu amigo Fabricio Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na casa de seu advogado Frederick Wassef.

“Desde que percebeu que o conflito com o STF era perigoso, o presidente recuou, ficou quieto, parou de dar declarações bombásticas. Para uma parte dos eleitores que o apoiam, mas eram críticos ao desempenho, a postura de Bolsonaro paz e amor ajuda a melhorar a avaliação, disse José Álvaro Moisés, cientista político da USP, à revista Veja.

Na última pesquisa Datafolha, realizada em 23 e 24 de junho, a reprovação ao governo Bolsonaro era de 44% e a aprovação de 32%.